Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Casa saudável: 5 dicas que vão trazer mais saúde para os moradores e os ambientes do lar

Especialistas explicam quais os hábitos que tornam o lugar onde moramos um local ainda mais salutar
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
(Foto: Patrick Perkins/Unsplash)

Uma alimentação diversificada, rica em nutrientes e a prática regular de exercícios físicos são apenas dois dos muitos hábitos que devemos ter quando o assunto é uma vida saudável. Mas você sabia que a casa também pode adoecer os moradores? A Healthy Building Certificate (HBC), empresa especialista na consultoria e certificações de construções saudáveis, alerta sobre que o contexto envolvendo materiais utilizados nas construções e reformas, móveis que compõem a decoração e pequenos hábitos diários podem atrapalhar a qualidade de vida dentro do lar.

“Por conta do desconhecimento, em muitas ocasiões lidamos com produtos nocivos à saúde da casa. Mas a boa notícia é que muitos deles podem ser facilmente substituídos ou excluídos do nosso dia a dia. É preciso estar sempre alerta e buscar informações para fazer escolhas inteligentes”, explica Allan Lopes, fundador e diretor global da HBC, que atua no Brasil e no exterior. Com olhar apurado, ele listou 5 dicas para serem analisadas e seguidas. Confira:

1. Quarto relaxante

(Foto: Christopher Jolly/Unsplash)

Especializado em biologia da construção, Lopes explica que o dormitório precisa ser entendido pelos moradores como um ‘templo’. “É nesse ambiente que buscamos o descanso para o nosso corpo e reorganizamos as nossas ideias no campo mental. Por isso, ele precisa ser tratado como o centro da casa”, recomenda. Independentemente do estilo decorativo escolhido pelos moradores, ele afirma que, no momento de dormir, o ambiente deve apresentar duas condições essenciais para um sono profundo e relaxante: a ausência de luz, deixando o cômodo totalmente escuro, bem como o silêncio que conduz ao adormecimento.

Além destes cuidados, uma boa pedida também é investir em mobílias com o máximo de componentes naturais possíveis. “Ao definir o mobiliário, recomendo evitar peças que apresentem cola em sua composição ou montagem. Estes materiais, muitas vezes, são tóxicos e nocivos à saúde”, complementa Marcos Casado, CEO da empresa no Brasil. Para tanto, a sugestão é elaborar a disposição do dormitório com móveis de madeira que possuam certificados FSC ou Cerflor com documento de origem florestal da madeira.

O colchão também pode ser outro grande vilão dos quartos. A depender do modo de fabricação, os especialistas da HBC revelam que alguns modelos convencionais carregam mais de 150 substâncias, sendo muitas delas nocivas à saúde. O poliuretano e retardantes de chamas são alguns dos componentes tóxicos e que podem causar problemas respiratórios, dores de cabeça e até mesmo câncer. “Sem contar o impacto negativo que esses itens oferecem ao meio ambiente, uma vez que são de difícil reciclagem e podem demorar centenas de anos para a sua decomposição”, detalha Casado.

Entre as opções salutares, a HBC sugere a escolha de colchões produzidos com fibras naturais como o algodão, bambu ou látex.

2. Casa livre de ondas eletromagnéticas

Quem já ouviu falar que o uso de micro-ondas pode causar câncer? O mito ganhou força baseado no senso comum das pessoas, as ondas eletromagnéticas emitidas por eletrodomésticos e eletrônicos presentes no cotidiano não provocam tumores, mas podem trazer irritabilidade, insônia e dor de cabeça em até 10% da população mundial que é considerada eletrossensível, de acordo com estudos divulgados pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Apesar de saber que é impossível estar 100% livre das ondas, o diretor global da HBC aconselha que exposições excessivas e desnecessárias sejam evitadas, sempre que possível. “Pequenas medidas podem cooperar para o nosso bem-estar. Por exemplo, se os aparelhos eletrônicos não estiverem em funcionamento, desligue-os das tomadas”, incentiva Lopes.

3. Ventilação e iluminação

(Foto: Jarek Ceborski/Unsplash)

Uma casa saudável deve ser sempre bem ventilada e naturalmente iluminada. As janelas devem ser abertas, pelo menos uma vez ao dia, e preferencialmente durante a manhã, enquanto a poluição do ar, principalmente nas grandes cidades, ainda estiver menor. A luz do sol e a troca constante do ar ajudam a evitar proliferação de fungos, bactérias e mofos.

Outra dica do CEO da HBC Brasil é evitar o uso do ar-condicionado. Além de prejudicar a qualidade do ar, o aparelho demanda manutenção periódica e não é nada econômico. “Caso seja mesmo necessário o uso do ar condicionado, busque comprar equipamentos que promovam a filtragem e a ionização do ar, além de prever a renovação interna do ar e que sejam silenciosos”, recomenda Casado.

4. Mobílias do tamanho certo

Na hora de escolher o mobiliário da casa é importante levar em consideração a estatura dos moradores. A altura da pia da cozinha, por exemplo, deve ser adequada e confortável para quem vai utilizá-la na rotina diária. “Questões de medida e proporção devem ser analisadas em todos os cômodos. Tudo deve ser ergonômico e funcional para auxiliar nas tarefas do dia a dia e não trazer perigo às pessoas”, continua Lopes.

5. Home office

(Foto: Mikey Harris/Unsplash)

Com a pandemia, o número de pessoas que aderiram ao home office de forma definitiva cresceu ainda mais. Por isso, algumas adaptações devem ser feitas no lar para atender essa nova necessidade. “Tente separar o escritório do restante da casa. Porém, caso não seja possível, pelo menos setorize este espaço com o uso de uma mesa e cadeira apropriada. O importante é não trabalhar sentado na cama ou sofá com o notebook no colo”, finaliza Casado.