Óleo de coco extra virgem a dose certa para sua saúde

O produto vem ganhando cada vez mais espaço na mídia e, claro, nas compras do dia a dia. Muito se tem falado sobre ele, às vezes com propriedade, outras tantas com exagero. Para alguns o óleo de coco extra virgem poderia até engordar, já que é um óleo, mas duas nutricionistas, experts em nutrição funcional, dizem que isso não acontece e, detalhadamente, respondem a essa e a outras questões sobre como ele age no organismo. Acompanhe.
1) Quais são os principais benefícios do uso de óleo de coco extra virgem na alimentação?

Priscila: O óleo de coco não refinado (acho que esse seria o melhor termo) traz benefícios como fonte de TCM, chamados de Triglicerídeos de cadeia média, gordura que é convertida facilmente em fonte de energia, proporcionando mais pique e disposição se associado com mudanças dietéticas consistentes. É fonte de ácido láurico que comprovadamente ajuda no combate a infecções, melhorando a imunidade. E por ser uma gordura, pode ajudar pacientes constipados por auxiliar na lubrificação do intestino.

2) Há alguma restrição? Grávidas, idosos e crianças?
Andréia: A principal contra indicação que existe é referente a pacientes que apresentem gordura no fígado (esteatose hepática), pois devido ao alto teor lipídico, esse alimento pode aumentar essa quantidade de gordura. Recomendações sinalizam que também não deve ser utilizado por pacientes pós-infartados e operados devido à gordura saturada presente. A utilização em pacientes com dislipidemia deve ter acompanhamento periódico de um nutricionista, pois, principalmente em casos de triglicérides alto, pode ocorrer alterações.

2) Ele é uma gordura saturada, ácido graxo de cadeia média. Neste caso como ele pode contribuir para o emagrecimento e redução de medidas abdominais? Como se dá esse processo metabólico? E a questão das calorias apontadas por alguns especialistas, não interfere no processo?

Priscila: Há estudos que demonstram perda de peso e redução da gordura abdominal com a utilização do TCM, mas esses estudos não são conclusivos. Aproximadamente 60% da gordura do óleo de coco é TCM, essa gordura é hidrolisada rapidamente e não requer sais biliares para absorção, portanto, é oxidada rapidamente, e não leva ao aumento de acúmulo de gordura no corpo.

3) Qual é a recomendação de uso?
Priscila: Eu particularmente indico óleo de coco antes dos treinos, por ser fonte de TCM, que ajuda dando mais pique e disposição para a atividade. Por ser uma gordura, ele proporciona mais saciedade, se consumido antes das refeições. Esta pode ser uma tática a ser usada em pessoas que querem emagrecer, obviamente, junto com uma dieta balanceada. As quantidades são bastante individuais, mas começo com 1 colher (sobremesa) ao dia.

4) Quais os principais nutrientes encontrados no óleo de coco?
Andréia: O óleo de coco é uma rica fonte de glicerol e ácidos graxos e triglicerídeos de cadeia média, como o ácido láurico, ácido caprílico, ácido cáprico, ácido mirístico e ácido palmítico, dentre outros. Possui baixa quantidade de ácidos graxos insaturados. Também contém quantidades consideráveis de vitamina E e compostos fenólicos com atividade antioxidante. Porém é importante ressaltar que o óleo de coco virgem apresenta maior teor de compostos fenólicos antioxidantes, como o ácido cafeico, ácido p-cumárico, ácido ferúlico e catequinas.

5) Para praticantes de atividades físicas, quais são os benefícios, qual a quantidade recomendada quando e como usar?
Priscila: Fonte de TCM, gordura que ajuda a dar pique e disposição. Eu prescrevo 1 colher de sobremesa junto ao shake antes do treino ou da refeição que antecede a prática.

6) Ele pode de alguma maneira interferir na digestão?
Andréia: O óleo de coco interfere na digestão por meio do retardo do esvaziamento gástrico, promovendo maior sensação de saciedade. Além disso, as propriedades antibacterianas (devido à presença do ácido láurico), imunomoduladora e anti-inflamatória, atribuídas ao óleo de coco, podem contribuir para o tratamento de úlceras gástricas e gastrite – doenças que prejudicam o funcionamento do estômago e a digestão – e que tem como base o processo inflamatório e, por vezes, infecção pela bactéria H. pilory. Entretanto são necessários estudos que comprovem estes efeitos sobre a mucosa gástrica. O óleo de coco extra virgem também auxilia na absorção de diversos nutrientes, como vitaminas e minerais.

7) Ele pode ser consumido agregado às preparações, pode-se cozinhar com óleo de coco extra virgem ou deve-se ingerir apenas na forma líquida?
Priscila: O óleo de coco é perfeitamente tolerado a altas temperaturas, mas seus benefícios antioxidantes são alcançados se o uso for a frio, ou seja, não aquecido.

8) No inverno ele fica duro. É possível ingeri-lo assim mesmo ou o recomendável é esquentar até ele ganhar a forma líquida?
Andréia: Ele pode ser consumido das duas formas: como óleo, utilizando no tempero para saladas ou batendo com frutas; ou na forma de gordura, substituindo as margarinas e manteigas. Portanto, em estado líquido ou sólido.

9) Quantas calorias têm o óleo de coco extra virgem?
Andréia: Considerando que uma colher de sopa comporte aproximadamente 15 ml de óleo de coco, aproximadamente a quantidade de calorias seria de 135 kcal.

Fontes
Dra. Andréia Naves
Nutricionista Clínica Funcional e Educadora Física – Docente e Diretora da VP Consultoria Nutricional e membro do The Institute for Functional Medicine USA

Dra. Priscila Di Ciero
É pós-graduada em Nutrição Esportiva Funcional.

Deixe um comentário


Confira também