Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Conheça Kansai: a capital espiritual e cultural do Japão

Formada por seis províncias, região é destino certo para quem busca cultura, espiritualidade e bem-estar
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Kansai atrai muitos visitantes que buscam, além de uma viagem exterior, uma jornada interior (Foto: Kansai Tourism Bureau)

Ao centro-sul da principal ilha do Japão, está localizada Kansai, região considerada a capital espiritual e cultural do Japão. Composta pelas províncias de Hyogo, Quioto, Shiga, Osaka, Nara e Wakayama, esta área reserva muitas opções para viajantes que buscam destinos para conhecer novas culturas, relaxar e recarregar as energias.

Kansai desempenha um papel importante na história do país. É onde estão os primeiros palácios imperiais, castelos e um grande número de templos e santuários que expressam as principais correntes espirituais do país: o budismo e o xintoísmo. A natureza exuberante de sua geografia também contribui para colocá-la no mapa mundial como um dos principais destinos para turismo de bem-estar e espiritual.

A Organização Nacional do Turismo Japonês (JNTO) apresenta a região e as razões que fazem dela o coração da espiritualidade e da cultura japonesa. Confira:

Contato com a natureza e locais sagrados para meditar

Kumano Hongu Taisha, um dos três grandes santuários xintoístas de Kumano Sanzan (Foto: V_ace/Shutterstock.com)

As florestas, montanhas e trilhas de Kansai atraem muitos visitantes que buscam, além de uma viagem exterior, uma jornada interior. A região é muito frequentada durante o ano todo, principalmente durante a primavera e o outono, estações em que as cores se transformam e as folhas e flores decoram as paisagens.

Na região estão os Locais Sagrados e Rotas de Peregrinação nos Montes Kii, na Cordilheira Kii, que abriga diferentes trilhas que conectam locais considerados sagrados, templos e santuários com jardins zen cercados de florestas. Lugares onde é possível se conectar com a cultura local, meditar e participar de atividades espirituais. Patrimônio Mundial da Unesco, a área é composta pelo Monte Yoshino e Monte Omine, em Nara, e Kumano Sanzan e Koyasan, em Wakayama.

Monte Yoshino e Omine

Kinpusenji, no Monte Yoshino, é templo central do Shugendô (Foto: Sean Pavone/Shutterstock.com)

Os montes estão ao norte da cordilheira, e são locais sagrados da Shugendô, uma religião que segue viva há mais de 1.200 anos, uma fusão do xintoísmo e do budismo, que reflete a tradição de culto às montanhas. O templo central do Shugendô é o Kinpusenji, localizado no Monte Yoshino. O local é ponto de parada de muitos peregrinos e é lar das três estátuas de pele azul de Zao Gongen, que têm 1.300 anos de idade e sete metros de altura cada. Elas representam o passado, o presente e o futuro de Buda. No local, é possível, ainda, se hospedar e participar dos treinamentos com atividades de resistência física e mental que são parte para o caminho da busca da iluminação, de acordo com o Shugendô.  Os eventos ocorrem de maio a outubro.

O Monte Omine, é um dos mais altos da região, tem 1.719 metros de altura. A subida para chegar ao topo é árdua, porém as vistas das cordilheiras valem o esforço. Nessas montanhas, é possível visitar o Templo Ominesanji, outro local sagrado do Shugendô, aberto somente para homens, e o Templo Ryusenji, cuja vista privilegiada garante a conexão com a natureza. Muitos chegam ao local pela trilha  Omine-Okugake, a partir do Monte Yoshino, que tem 100 quilômetros de extensão e conecta-se, também, aos três grandes santuários xintoístas de Kumano Sanzan, em Wakayama, no sudeste da Península de Kii.

Kumano

Cataratas de Nachi ostentam a maior queda d’água do Japão, 133 metros (Foto: Kansai Tourism Bureau)

Kumano Hongu Taisha , Kumano Nachi Taisha  e Kumano Hayatama Taisha são os três santuários sagrados de Kumano. O primeiro é considerado o mais majestoso dentre os três e possui o maior portão torii do Japão, com 34 metros de altura e 42 metros de largura. Já o segundo é considerado o ponto de energia terapêutica mais conhecido do Japão. Próximo ao local, estão as Cataratas de Nachi, que ostentam a maior queda d’água do Japão, 133 metros. Acredita-se que quem bebe de suas águas terá boa sorte e uma vida longa. Já o último, além da edificação principal, que guarda doze deuses, tem mais de 1.000 tesouros sagrados, incluindo presentes das famílias imperiais dos séculos XV e XVI. Em seu entorno há monumentos naturais santificados como divindades, e o Nagi-no-Ki, pinheiro sagrado, de 800 anos.

Por fim, Koyasan, um dos maiores e mais imponentes centros budistas do Japão. O local com cerca de 1.200 anos de história, é um vasto complexo, com mais de 100 templos. O principal deles é o Templo Kongobuji, sede da seita Budista Shingon, fundada pelo monge Kobo Daishi, cujo mausoléu está a uma pequena caminhada de distância no Templo Okunoin.

Relaxamento

Cerimônia do chá é uma das experiências indicadas em Kansai (Foto: Kansai Tourism Bureau)

Kansai está sobre uma grande área de fontes de águas termais e tem muitas opções de onsens, locais para banhos, e ryokans – as famosas pousadas tradicionais do Japão que oferecem o melhor do omotenashi, a hospitalidade nipônica.

Quem escolhe percorrer as rotas de peregrinação e visitar locais sagrados tem a opção de se hospedar e desfrutar de spas e banhos terapêuticos nos pequenos vilarejos onsen pelo caminho. Destaque para as cidades Katsuura Onsen e Hongu Onsen, nas proximidades de Kumano; e Dorogawa Onsen, no acesso ao Monte Omine.

Outra opção de hospedagem são os shukubo, alojamentos nos templos, que oferecem a oportunidade de conhecer e vivenciar um pouco da vida monástica. As atividades destes templos incluem copiar o sutra (escrituras sagradas), sessões de meditação, orações matinais e outros rituais budistas. Koyasan é o local ideal para ter essas experiências. No local, é possível, também, reservar passeios privados com um monge como guia turístico. Para completar a experiência, vale experimentar a ryori shojin, a tradicional culinária vegetariana dos monges budistas.

Kansai histórico

O Castelo de Osaka, um marco histórico na história do Japão (Foto: ©JNTO)

Visitar as províncias da região é uma aula de história e cultura japonesa. Antes de iniciar a jornada zen  na capital espiritual do Japão, vale a pena conhecer seus castelos e museus para entrar no clima e vivenciar o Japão antigo.

O Castelo de Osaka, na cidade de Osaka, é, sem dúvida, um marco histórico. O local foi estratégico durante a época da fundação da era Edo, em 1603. Sua construção data de 1583. Em Himeji, na província de Hyogo, está o Castelo de Himeji, também conhecido por Castelo da Garça Branca, um Tesouro Nacional Japonês e um Patrimônio Mundial da Unesco, com mais de 600 anos de história. Em ambos os locais funcionam museus que contam a história do período Edo e seus jardins são repletos de cerejeiras.

Já a cidade de Quioto, é a antiga capital imperial e o berço da cultura tradicional japonesa. É mundialmente conhecida por seus templos, santuários, palácios e jardins. Um dos destaques é o luxuoso e intocado Castelo de Nijo, também construído em meados de 1600. O complexo é constituído por castelo, palácio e jardim paisagístico japonês.

Devido à pandemia, as restrições de viagem estão mudando continuamente e se adaptarão conforme a situação evolui globalmente. A JNTO recomenda visitar seu site para obter as últimas notícias sobre o Japão e as restrições de viagens relacionadas à Covid-19. Clique aqui e saiba mais!