Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Unidades da Agepel oferecem atrações para as férias

Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

O público goianiense e também turistas que visitarem Goiânia nesse período de férias poderão conferir diversas atrações culturais na cidade, revisitar a história das artes em Goiás, fazer um passeio pela trajetória geopolítica do Estado, conhecer aspectos peculiares do folclore e da sétima arte, da imprensa e da fotografia, entre outras curiosidades.

Para tanto a Agência Goiana de Cultura (Agepel) oferece como opções a Gibiteca Jorge Braga, o Cine Cultura, o Centro Cultural Martim Cererê, além dos museus da Imagem e do Som, Zoroastro Artiaga e Arte Contemporânea, unidades que funcionam na capital, bem como o Palácio Conde dos Arcos, na Cidade de Goiás, que estarão de portas abertas, com atendimento monitorado, oferecendo aos apreciadores um entretenimento alternativo.

O roteiro cultural começa pelo Museu Zoroastro Artiaga. Localizado na Praça Cívica, a unidade homenageia seu fundador, o professor Zoroastro Artiaga (1891-1972). Trata-se de um museu de referência da história de Goiás, onde os objetos que constituem seu acervo refletem a diversidade da cultura material e imaterial do Estado.

O museu expõe mais de quatro mil peças que descrevem a história de Goiás e a arte popular, e outros aspectos, como a ocupação e transformação do território goiano. São abordados, por exemplo, quesitos referentes à etnologia indígena, navegação do Araguaia, arte sacra, folclore, a imprensa goiana, cinema e fotografia, mineralogia, artes industriais; e ainda espaços especiais como a sala dos governadores, casa caipira e Sala Zoroastro Artiaga.

A instituição abriga ainda a exposição

Também localizado na Praça Cívica (no Centro Cultural Marieta Telles), o Museu da Imagem e do Som de Goiás – MIS reúne, preserva, produz e divulga as formas de expressão histórica, artística e cultural do Estado registradas em áudio e vídeo. O acervo da unidade é constituído de coleções de discos, fitas cassete, fitas magnéticas de áudio e de vídeo, filmes, documentos fotográficos, textuais e bibliográficos.

Quem visitar a unidade poderá conferir ainda a exposição

A exposição é composta por registros de diferentes tempos e modos de vida da mulher em Goiás, a partir do início do século XX, desde as questões contemporâneas de gênero – sexualidade, trabalho, imaginário, identidade, até o casamento e as práticas diárias do universo feminino. São imagens de fotógrafos consagrados como os pioneiros Priscila Barbosa, Alencastro Veiga, Eduardo Bilemjian, Luis Pucci, Paratéca e Alois Feichtenberger e os contemporâneos, Rosary Esteves, Cida Coutinho, Sílvia de Souza, Eduarte Barbosa, Paulo Rezende, Nelson Santos, entre outros.

Outras atrações

No mesmo Centro Cultural, o visitante tem ainda como atrações a Gibiteca Jorge Braga, o Cine Cultura e o Centro Cultural Martim Cererê. A Gibiteca, única do gênero em Goiás, recebeu o nome de Jorge Braga, em homenagem ao cartunista, um dos poucos produtores de histórias em quadrinhos no Estado.

O espaço possui um acervo de 6 mil exemplares, dentre eles, alguns raros, e tem como carro-chefe resgatar o hábito de leitura de histórias em quadrinhos, estimulando tanto crianças como para adultos. Funciona de segunda a sexta, das 8 às 18 horas, sábados, das 8 às 17 horas, e aos domingos e feriados, das 8 às 12 horas.

A sétima arte ganha espaço no Cine Cultura, um cinema destinado ao público que aprecia filmes cuja principal característica é a qualidade. Localizado no prédio do Centro Cultural Marieta Telles (Praça Cívica), o espaço é freqüentado por um público diferenciado, oferece preços bem mais acessíveis que os praticados no circuito comercial, além de uma programação alternativa (confira a programação do cinema no site da Agepel).

O Centro Cultural Martim Cererê, que funciona no Setor Sul, é a unidade da Agepel que abriga atividades artísticas nas áreas de música, dança, vídeo, cinema, teatro e circo. Neste mês de julho, oito espetáculos de música e teatro movimentam a programação do espaço. Dias 1º e 2 esteve em cartaz Valsa das Ilusões, exercício público dos alunos da Vivace Escola de Teatro e Dança. No dia 8, o palco será ocupado pelo espetáculo MAC 40 Anos de Gravuras e Modernismo em Goiás, que estão em cartaz no salão expositivo do Museu de Arte Contemporânea (MAC – Rua 4, Ed. Parthenon Center, sobreloja), com visitação até 17 de dezembro, de segunda a sexta, das 9 às 17 horas.

As Mostras evidenciam, por meio do acervo do museu, 40 anos da arte impressa, retratada com cópias editadas dos anos 60 até o final dos 90, além de obras em papel, do período modernista e de pioneiros da arte moderna em Goiás, e ilustrações de outros mestres da pintura, que estabeleceram afinidades e referências com o modernismo. São trabalhos de DJ Oliveira, Tarsila do Amaral, Clóvis Graciano e Alfredo Volpi, entre outros.

Interior

Uma das alternativas de passeio na histórica Cidade de Goiás é o Museu Palácio Conde dos Arcos. Localizado na praça central da cidade, o espaço foi a primeira sede dos governadores da Província (1748). O prédio foi constituído em 1751, pelo primeiro governante do Estado, Dom Marcos de Noronha, conhecido como “Conde dos Arcos”. O museu passou por várias reformas, restaurações, modificações e ampliações, mas conservou suas características originais e a importância histórica. Hoje funciona como centro de atividades culturais. Possui mais de 30 cômodos, três pátios com jardins, o maior deles em estilo português. Além de rico acervo mobiliário, abriga preciosas peças antigas. A unidade é aberta ao público de terça a sábado das 8 às 17 horas, e domingos e feriados das 8 às 13 horas.

No período de 24 a 26 deste mês o Museu Palácio Conde dos Arcos volta a ser sede do governo durante a Transferência da Capital. Por ser a antiga sede administrativa do Estado, todos os anos o governo transfere as atividades para o município e, durante três dias, a antiga Vila Boa revive a era do poder.