Do tradicional ao digital, num toque de mágica

Tradicional sebo [livraria onde se vendem livros usados] com sede em Goiânia (GO), a Hocus Pocus iniciou suas atividades em 1992. Entretanto, a ideia de transformar a livraria, que tinha unidades físicas, em uma loja virtual, surgiu em 2002 com os sócios da empresa, os irmãos Luiz Fafau e Moacir Júnior, já visualizando a tendência crescente do comércio eletrônico. “A venda pela internet é qualificada. O comprador, na grande maioria das vezes, já sabe o quer comprar. Por outro lado, ao disponibilizarmos nosso acervo na internet, negociamos com consumidores de qualquer região do país e até de outros países”, assegura Luiz Fafau.

No período de 2002 a 2005, a Hocus Pocus comercializava produtos apenas por meio do portal Mercado Livre. A partir de 2005, a livraria passou a ter site próprio site (www.hocus.com.br) e, agora, segundo Fafau, o acervo desse site está sendo repassado para um mais moderno, que terá o link (www.hocus2.com.br). Além desses sites, a Hocus Pocus vende produtos nos portais (www.estantevirtual.com.br/hocuspocus ewww.sebosonline.com).

Atualmente, a loja virtual possui 35 mil produtos cadastrados à venda, dentre livros, revistas, HQ, DVD, CD e discos de vinil. Em média, são 200 produtos comercializados por mês, com preços variáveis.

Clique de mouse

O principal diferencial da empresa é a facilidade com que o cliente compra os produtos pela internet. O cliente acessa o site ou portais parceiros, escolhe o produto, faz o pedido, recebe um e-mail com dados para o depósito e, após a confirmação do pagamento, o produto é enviado via Correios. De acordo com Luiz Fafau, o perfil de quem compra produtos da Hocus Pocus pela internet é diverso, sendo pessoas de todas as idades, moradores de capitais e, principalmente, de pequenas cidades em que não existem livrarias.

No Brasil, empresas de todos os segmentos têm investido e se especializado na comercialização de produtos e na prestação de serviços via internet, conquistando cada vez mais consumidores. Conhecido como e-commerce, esse sistema de vendas pela internet teve um crescimento de 40% em 2010 e a expectativa é de expansão de 35% em 2011, segundo a Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico.

Característica romântica

Para homenagear a banda de rock progressivo Focus e brincando com a sonoridade das palavras, os empresários Luiz Fafau e Moacir Júnior resolveram nomear de Hocus Pocus a livraria que abriram em Goiânia, no ano de 1992. Entretanto, a história deles com livros começou antes: Luiz, atuou por mais de 25 anos como publicitário, e Moacir, já comercializava livros e artigos culturais desde os anos 80, na Banca Nacional de Literatura Independente, na Feira Hippie. Foi daí que surgiu o interesse em abrir um sebo.

Os empresários chegaram a ter três lojas físicas até 2002, época em que começaram a vender pela internet. Os custos de manter as lojas físicas cresceram no mesmo ritmo que o volume de vendas gerado pelo comércio eletrônico, ao mesmo tempo em que proliferavam as lojas de livros usados (sebos). Isso fez com que os sócios repensassem o negócio. Assim, eles resolveram manter apenas uma loja, a principal, localizada na Avenida Araguaia, no centro da cidade.

Outros produtos

Atualmente, a loja física da Hocus Pocus e a Kingdom Comics de Brasília (DF) são as únicas especializadas em História em Quadrinhos na região Centro-Oeste. Além disso, a unidade oferece camisetas, batas, acessórios em couro – cintos, pulseiras, colares – e um mix de produtos ligados ao universo do rock. Talvez essas características expliquem o perfil dos clientes da loja fixa, que é de jovens de 14 a 30 anos, relata Luiz Fafau.

Segundo ele, a diversidade do acervo, os preços acessíveis e a ambientação sintonizada com a filosofia da empresa são diferenciais que fazem da Hocus Pocus o único sebo de Goiânia que não perdeu a característica ‘romântica’, que povoa o inconsciente coletivo quando se pensa em sebo. “Hoje, o que temos na cidade são livrarias padronizadas que trabalham com usados. Nada contra, cada um com sua forma de trabalhar, mas optamos por manter na loja uma espécie de caos organizado para que clientes possam vasculhar os produtos à vontade”, reforça Fafau.

Fonte: ASN

Deixe um comentário


Confira também