Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

HGG retoma Oficina de Arte para pacientes

Projeto de humanização da unidade ficou suspenso devido à pandemia de covid-19
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
As oficinas ocorrem no Jardim da Solistência, um espaço interno aberto do HGG, com projeto paisagístico, e uma placa com um poema de Graciliano Ramos, chamado de “Solistência”, que trata sobre a existência e a solidão (Divulgação)

O Hospital Estadual Alberto Rassi – HGG retoma, na tarde da próxima terça-feira, 5 de abril, mais um de seus projetos de humanização, a Oficina de Arte. Lançado em 2014, a atividade era realizada quinzenalmente com os pacientes e acompanhantes da unidade, sob a orientação do artista plástico Alexandre Liah, e precisou ser suspensa devido à pandemia de Covid-19. O último encontro foi realizado em 19 de fevereiro de 2020.

O local das oficinas é inspirador: o Jardim da Solistência, um espaço interno aberto, com projeto paisagístico, e uma placa com um poema de Graciliano Ramos, chamado de “Solistência”, que trata sobre a existência e a solidão. Neste local, dez pacientes poderão exercer a criatividade e se transformar em artistas por meio de telas, tintas e pincéis.

Responsável pelo projeto desde o seu início, Alexandre Liah destaca que as oficinas são mais que uma distração para os pacientes. “Cada oficina é única. A gente procura buscar as memórias dessas pessoas que eu não chamo de pacientes, chamo de artistas, porque, a partir do momento que eles chegam para participar, queremos que eles esqueçam um pouco da situação em que eles estão. A gente tenta mudar o foco e trazer para uma atividade artística”, explica.

Liah conta ainda que esse é um momento que faz com que os pacientes tragam para as telas memórias, lugares, coisas e pessoas das quais sentem saudade. “A partir daí surgem trabalhos interessantes, porque cada um tenta refletir uma situação, o ambiente que vive, e isso faz com que, por um momento, ele esqueça que está doente e pratique uma coisa saudável. Acontecem situações muito inusitadas, como pessoas muito simples, que nunca pintaram na vida, e conseguem, através das cores, se manifestar e pintar.”

Em cada oficina, os pacientes recebem uma tela em branco e uma variedade de pincéis e cores de tinta para extravasar sua criatividade e aflorar o artista adormecido. “As obras são incríveis, saem coisas maravilhosas, parece que o contato com a cor cria um brilho, ilumina os olhos. Tem pessoas que choram, parece uma catarse. São muitas situações interessantes”, ressalta Liah.

Para o artista plástico, a volta do projeto representa maior acolhimento aos pacientes do HGG. “Acho muito proveitoso esse projeto que a gente está fazendo há praticamente nove anos. Temos uma coleção de trabalhos e podemos, no futuro, realizar uma exposição com as telas desses artistas”, diz animado.