Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Alinhadores invisíveis são mais práticos e confortáveis para corrigir o sorriso de crianças 

Problemas dentários comuns na infância podem ser corrigidos com uma redução de até 50% no período do tratamento com aparelho invisível. Opção também elimina a necessidade do temido ‘sorriso metálico’ 
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
(Foto: Divulgação)

A infância é marcada pelas transformações e pelo desenvolvimento dos pequenos. Estão inseridas nesse processo as alterações na arcada dentária e os possíveis problemas de oclusão, fatores que transformaram o uso dos aparelhos ortodônticos muito comuns tanto em crianças, a partir dos cinco anos de idade, e jovens, ao longo das gerações. No entanto, hoje já é possível prevenir e corrigir essas questões sem o possível desconforto ao qual o chamado aparelho fixo esteve e está atrelado no senso popular. E, ainda, garantir um período de tratamento de 30% a 50% menor, de acordo com o odontólogo Cassiano Medeiros, especialista em ortodontia e ortopedia funcional dos maxilares, do Crool Centro Odontológico.

“Dos últimos cinco anos para cá, temos conseguido solucionar as más oclusões dentárias com o uso dos alinhares, com eficácia e muito mais conforto para o paciente, tanto do ponto de vista prático quanto para a questão estética. E para as crianças, representa ainda maior praticidade com o cuidado, por ser removível e mais fácil de higienizar. E também implica em menos riscos de intercorrências no comparativo com o aparelho fixo, que tem o uso de brackets, que podem machucar, quebrar e exigem manutenção mensal para garantir progresso”, afirma o dr. Cassiano, que ainda acrescenta que os alinhadores permitem menos visitas presenciais ao consultório, com intervalos de dois a três meses.

Do mesmo modo, o fator estético tem grande importância. Feitos de um derivado do plástico transparente e maleável, os alinhadores invisíveis anulam a necessidade do tão popularmente temido ‘sorriso metálico’. O profissional explica que antes dos cinco anos de idade não é comum que haja a necessidade dessa intervenção, como ele chama. “É com o surgimento dos primeiros dentes permanentes que pode ser preciso corrigir a mordida e o posicionamento dos dentes, a falta de espaço para o nascimento de novos dentes, entre outros casos”, enumera.

Ainda segundo o especialista, os aparelhos invisíveis garantem mais previsibilidade de tempo ao tratamento, resultados mais rápidos e maior comodidade para o paciente. “Com ele, é possível corrigir o sorriso sem alterar a forma de viver do paciente, que poderá retirar o alinhador para higienizar e se alimentar. Outro ponto é que Casos mais complexos podem requerer a utilização de outros recursos, mas a avaliação é que vai dar esse diagnóstico correto, afinal, cada caso é um caso”, complementa.

Confira alguns mitos e verdades sobre a utilização dos alinhadores invisíveis:

O tratamento com alinhadores invisíveis é mais rápido do que com aparelho fixo?

Verdade. O tratamento permite melhor previsibilidade, contando com um planejamento virtual mais preciso e eficaz, o que garante maior economia em tempo.

O tratamento com alinhadores invisíveis é mais caro?

Mito. O orçamento do uso de alinhadores invisíveis leva em questão diversos pontos, mas se avaliada a redução no período do tratamento, é possível notar que o investimento é mais vantajoso do que o aparelho ortodôntico fixo, que apresenta riscos de intercorrências e menor previsibilidade de término do tratamento.

Os alinhadores invisíveis são mais higiênicos do que o aparelho fixo?

Verdade. Por serem removíveis, é possível retirá-los durante as refeições, o que melhor higienização dos itens e dos dentes.

O uso de alinhadores invisíveis é indicado somente para crianças?

Mito. Os alinhadores invisíveis são indicados para todas as idades, desde crianças até a terceira idade, de acordo com avaliação feita por um especialista.