Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Aparecida de Goiânia comemora 58 anos de emancipação política com homenagem a Iris Rezende

Enquanto deputado estadual, político atuou em prol da lei que criou o município
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Igreja Matriz de Nossa Senhora Aparecida, localizada no Centro da cidade é marco inicial do município (Foto: Enio Medeiros)

Aparecida de Goiânia festejará o centenário em 2022, mas antes disso tem um importante marco para comemorar neste ano. É o seu aniversário de 58 anos de emancipação política, que serão completados no próximo domingo, 14 de novembro.

A cidade hoje considerada pujante, inteligente, integrada, universitária, industrial e atraente, com praças e avenidas sempre floridas, passou por forte transformação ao longo dessas cinco décadas. E, para a atual gestão municipal, a emancipação política foi um dos principais atos do poder público que fomentaram o progresso de Aparecida.

Em 58 anos, o número de bairros em Aparecida cresceu nada menos do que 13 vezes, passando de 23 setores, no ano da emancipação, para 305 bairros na atualidade.

Emancipação política é sinônimo de autonomia. Foi isso o que a cidade conquistou, em 1963, quando a Assembleia Legislativa de Goiás (Alego) sancionou a Lei nº 4.927, que emancipou o então Distrito de Goialândia, criando o município de Aparecida de Goiânia. A cidade garantiu aí, por exemplo, a liberdade para se autogerir e criar as próprias leis.

Além dos moradores pioneiros que clamaram pela emancipação, também foi determinante para a criação do município a atuação dos então deputados Iris Rezende e Olinto Meirelles. Eles ficaram marcados na história da cidade pela iniciativa de propor e articular, na Alego, a aprovação da lei que emancipou o município de Aparecida.

“Nós sempre homenageamos as figuras públicas que colaboraram para a emancipação política de Aparecida. Mas agora, especialmente, queremos enaltecer o legado do ex-governador Iris, que nos deixou esta semana. Ele foi um dos principais mentores da lei que emancipou o município, e, por isso, claro, merece todo o nosso reconhecimento pelo grande homem público que foi”, explica o prefeito Gustavo Mendanha.

Sancionada a lei, em fevereiro de 1964 o governador Mauro Borges Teixeira nomeia Licídio de Oliveira como primeiro prefeito de Aparecida. Mas logo em seguida veio o golpe militar, que culminou no afastamento de Mauro Borges do governo e a consequente mudança no comando da administração de Aparecida.

O então presidente da República, marechal Humberto de Alencar Castelo Branco, nomeou como interventor do governo em Goiás o tenente-coronel Meira Matos. Como Aparecida de Goiânia era um município novo e representava o reduto de partido político contrário ao governo militar, foi nomeado para ocupar o cargo de prefeito o ex-combatente de guerra José Bonifácio da Silva, que governou até 31 de janeiro de 1966.

O primeiro prefeito de Aparecida eleito pelo voto direto foi Tanner de Melo. Desde então, o município já teve 11 prefeitos escolhidos democraticamente pelo povo. São eles: Tanner de Melo, Licídio de Oliveira, Elmar Arantes Cabral, Freud de Melo, José Fabiano da Silva, Norberto José Teixeira, Sebastião Lemes Viana, Ademir Menezes, José Macedo, Luiz Alberto Maguito Vilela e o atual prefeito, Gustavo Mendanha.

“São grandes líderes que, cada um a seu tempo, contribuíram para o desenvolvimento da nossa cidade. Como prefeito e filho legítimo de Aparecida, quero honrar o legado não só dos ex-prefeitos, mas também daqueles que passaram pelo Legislativo, das lideranças comunitárias, dos pioneiros e de cada morador que contribui diariamente para o progresso do nosso município”, comenta Gustavo Mendanha.

Desenvolvimento econômico

Nas últimas décadas, Aparecida evoluiu, deixou para trás a pecha de cidade dormitório e conquistou reconhecimento como cidade inteligente. O município hoje tem uma das maiores taxas de crescimento do Brasil.

De 2010 a 2018, por exemplo, a economia de Aparecida cresceu 122%, segundo o IBGE. O Produto Interno Bruto (PIB), que representa a soma dos bens e serviços produzidos na cidade, expandiu de R$ 3,8 bilhões, em 2009, para R$ 12,9 bilhões, em 2018.

Esse e outros fatores, como ampla oferta de empregos e a melhoria nos índices de qualidade de vida, atraem olhares de goianos de outros municípios e de brasileiros de outros estados, que têm migrado para Aparecida em busca de oportunidades. Nos últimos 10 anos, a população local cresceu 32%, comparando dados do censo de 2010 (455.657 moradores) com a população atual de 601.844 habitantes, segundo o IBGE.

Mesmo impactado pela pandemia de Covid-19, Aparecida é o segundo, entre os 246 municípios goianos, que mais teve moradores vinculados a empregos formais em setembro, depois apenas da capital. Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) apontam que Aparecida encerrou o mês com 107.872 empregos formais, no topo do ranking entre as 20 cidades mais populosas do estado.

Infraestrutura

Com 601 mil habitantes, Aparecida é hoje a segunda maior cidade do estado de Goiás e está entre os 40 maiores municípios do país, que tem mais de 5 mil cidades. Com essa envergadura, Aparecida conta igualmente com obras de infraestrutura e de mobilidade urbana de grandes dimensões, como quatros eixos viários no sentido Norte-Sul, o Viaduto Vereador João Antônio Borges, na Vila Brasília, e mais cinco novos eixos viários em construção, todos eles no sentido Leste Oeste, que irão melhorar o tráfego de veículos principalmente na ligação do Grande Garavelo à região da Avenida Rio Verde.

Um dos eixos Leste Oeste interligará o Centro da cidade ao novo campus da UFG e ao aeroporto executivo Antares, em construção na região do Nova Olinda. Com um total de 13 frentes de pavimentação asfáltica ativas no momento, faltando apenas 22% do total de 305 setores para completar o déficit no município.

Saúde

Um dos investimentos mais importantes é o Hospital Municipal de Aparecida (Hmap), inaugurado em 2018. A unidade atende a população da cidade e de outros 50 municípios da região Centro-Sul do Estado, com 230 leitos, sendo 30 UTIs, 20 leitos destinados à urgência e 180 apartamentos. Aliado às 40 UBSs e 3 UPAs construídas pela Prefeitura de Aparecida nos últimos anos, e ao Centro Municipal de Especialidades, o Hmap é um dos principais recursos colocados à disposição na rede pública de saúde.

Como forma de homenagear o ex-governador Iris Rezende, que quando deputado apoiou a emancipação de Aparecida, o prefeito Gustavo Mendanha já propôs à Câmara Municipal de Vereadores projeto de Lei para renomear o Hospital Municipal de Aparecida para que passe a ser denominado Hospital Municipal de Aparecida Governador Iris Rezende. O HMAP foi construído por Maguito e inaugurado por Mendanha. “Tenho a certeza de que Maguito ficaria feliz com essa homenagem de Aparecida ao Iris”, disse Gustavo.

Educação

Na Educação, a gestão foca na qualificação dos profissionais que atuam diretamente com as crianças e adolescentes nas 90 unidades da rede de ensino municipal, contando escolas e CMEIs. Para favorecer a experiência do aluno em sala de aula e oferecer mais conforto aos docentes e profissionais administrativos, a Prefeitura de Aparecida tem reformado e ampliado prédios de escolas municipais. A gestão também planeja expandir o ensino de robótica na rede municipal, transformando a vida dos estudantes com inovação e tecnologia. Metade das escolas já tem esse ensino de robótica.

Cidade Inteligente

O projeto Cidade Inteligente está tornando o município de Aparecida mais conectado, inclusivo e desburocratizado. Com investimentos na ordem de R$ 55 milhões, o projeto marca, segundo o prefeito Gustavo Mendanha, um novo modelo de governança. Pelos resultados que mostrou ainda na fase de implantação, o programa já ganhou prêmios nacionais e internacionais. A ideia da gestão é integrar todos os setores da administração e da sociedade, permitindo maior controle e melhoria na tomada de decisões, facilitando a vida das pessoas em vários níveis, pensando na modernidade e no futuro das próximas gerações.

Faz parte do Cidade Inteligente, o Cidade Digital, que abrange quatro ações principais: a instalação de mais de 700 km de fibra óptica, a ampliação do videomonitoramento da cidade com 600 novas câmeras com olhos de águia – com reconhecimento facial e de placas de veículos -, implantação de 200 pontos de acesso livre e gratuito à Internet e contratação de um data center próprio para o controle de gastos públicos.

Além do data center, já construído e configurado na Cidade Administrativa Maguito Vilela, a maioria das novas câmeras está em operação provendo mais segurança nas vias e prédios públicos do município. “Mais do que tecnologia, a principal intenção do programa Cidade Inteligente é ajudar a administração pública a cuidar melhor das pessoas, facilitando a elas acessarem o serviço público em tudo o que necessitam, desde a saúde à escola dos seus filhos”, finaliza o prefeito Gustavo Mendanha.