Móveis, objetos e revestimentos decorativos ecologicamente corretos

Preocupação ambiental, avanço tecnológico e desenvolvimento de móveis, objetos e revestimentos sustentáveis são elementos preponderantes das novas tendências da decoração. Em todo lugar se fala sobre uma vida ecologicamente correta e numa constante preocupação pela utilização sustentável de matérias-primas. A pergunta que fica é: como adequar a decoração à sustentabilidade? A resposta pode ser mais simples do que se imagina e os resultados surpreendentes.
Fazer design sustentável tornou-se primordial para os profissionais da área. Adequar conforto e estética a materiais que abraçam a causa ecológica agora é uma constante na rotina de quem trabalha com decoração. E comemore! O mercado está repleto de opções para que isto aconteça. Permeando o conceito de sustentabilidade, a Casa Cor Goiás 2011 traz vários exemplos de móveis, objetos e revestimentos, distribuídos em vários ambientes da mostra, que podem ser citados.
No Loft 1, dos arquitetos Augusto Thomé e Júnior Roriz, o revestimento de parede é em 3D Board feito com placas de fibra de bambu que é totalmente reciclado e reciclável. Na Suíte da Terceira Idade, da designer de interiores Simone Sebba Daher, o teto é termo-acústico e feito de fibra mineral que lembra um papelão, totalmente sustentável. O produto evita a propagação do sol, economizando energia com ar-condicionado, além de isolar o som. Na Confraria dos Vinhos, da arquiteta e urbanista Edmara Cavalcanti, há uma parede de pedra que reproduz um gabião, que auxilia no controle natural de umidade do ambiente.
Na Sala Íntima, das arquitetas Geórgia Silveira e Tayná Gonçalves, os objetos também estão sintonizados com as atuais demandas ecológicas. A mesa de centro, assinada por Mônica Cintra, leva o selo de qualidade da artista, que trabalha com madeira bruta descartada pela própria natureza ou com sobras provenientes de áreas de manejo autorizadas pelo Ibama. O revisteiro do designer Paulo Alves foi feito com ripas de madeira. Já a lona, utilizada no convidativo sofá, uma das peças chaves do ambiente, é reaproveitada. E o pendente possui cúpula trabalhada na madeira de reflorestamento. Na Garagem, da designer de interiores Alessandra Lobo, bicicletas e gaiolas de fibra de bambu dão toque ecologicamente correto aos objetos de decoração.
No Lounge Tecnoseg, das arquitetas Gabriella Saback e Ana Paula Munhoz, o destaque é para o painel 3form, em acrílico transparente, que é feito de resina reciclada derivada de garrafa pet e por isso totalmente reciclável. O piso laminado é ecologicamente correto e apresenta encaixe em click, sem a necessidade do uso de cola; além disso, é de fácil manutenção e dificulta a permanência de agentes causadores de reações alérgicas. A Alameda, da designer de interiores Mavione Sousa, a inovação fica a cargo do deck modular de madeira (proveniente de florestas de manejo sustentável), que, colocado sobre uma base plástica, garante a sustentação das réguas, isolando-as do contato com a água e permitindo o escoamento da mesma
O Meeting Point, do designer de interiores Pedro Paulo do Rêgo Luna, apresenta várias peças com características ambientais. O sofá é constituído de maços de vime natural amarrados com imbira e arame; a cadeira que tem formato semelhante ao de um pião, podendo girar em 360 graus, é feita de plástico reciclado; o banco cuja matéria prima básica é a madeira bruta foi descartada pela própria natureza; e os balanços com plantas decorativas também são feitos de plástico reciclável.
O mobiliário também não fica de fora. Na Casa de Veraneio, o arquiteto Léo Romano apresenta a Chaise Cangalha, do designer Paulo Alves, feita de sobras de madeira; e a cadeira de papelão prensado. As poltronas de madeira reflorestada e certificada são destaques na Suíte Presidencial, do arquiteto e designer de interiores Alexandre Milhomem; e no Restaurante e Lavabo, dos arquitetos André Brandão e Márcia Varizo. As cordas que descem do teto ao chão em formas irregulares do Bar À Vin, projetado pelo arquiteto Daniel Almeida, são feitas de garrafa pet. Além disso, a parede ao fundo dos camarotes do bar foi revestida com um grande espelho feito de sobras, seguindo a tendência da sustentabilidade.
Arquitetos, designers de interiores, decoradores e paisagistas já provaram que a preocupação com o meio ambiente não limitou a criatividade. E diante de tantas novidades e opções, o importante é cada um se conscientizar da importância de se ter uma atitude correta para preservar o meio ambiente. Além do mais, fazer a nossa parte utilizando materiais maravilhosos e sustentáveis não é sacrifício algum. Aproveite as idéias da Casa Cor Goiás 2011 e use a decoração a seu favor.

Deixe um comentário


Confira também