Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

EBM inaugura parklet na Ricardo Paranhos

Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Um dos locais mais concorridos de Goiânia para lazer e prática de esportes ao ar livre, a Alameda Ricardo Paranhos concentra diariamente os adeptos às corridas e outras atividades físicas, além de amantes da boa cozinha, já que centraliza bares e restaurantes icônicos da cidade como o Paim, a Tribo do Açaí, o Bapi, o Moony e outros que estão nos arredores, além de dispor de lojas voltadas para móveis e decoração. Para consolidar sua vocação como espaço de tendências no Setor Marista e na cidade, no dia 11 de agosto (terça-feira) será inaugurado o atrativo que faltava para a charmosa alameda: um parklet.
O parklet será instalado na frente do Espaço EBM e será gerido pela própria empresa por um ano, renovável por outros dois. O espaço, projetado pelo arquiteto Vinicius Aires, tem como referência os parklets de São Francisco, nos Estados Unidos, cidade precursora desse ambiente que nada mais é que uma extensão temporária de calçada, feita por meio da instalação de uma plataforma móvel equipada com bancos, mesas e outros elementos com função recreativa, a fim de democratizar os espaços públicos.
O Parklet EBM procura ser um espaço público agradável à convivência, equipado com bancos, floreiras, mesas, guarda-sóis e bicicletário com capacidade para seis bicicletas. “Os parklets melhoram a paisagem urbana e criam ambientes melhores para pedestres e ciclistas, tornando os lugares melhores para se viver e conviver”, afirma o coordenador de comunicação da EBM Desenvolvimento Imobiliário, Ademar Moura.
Para criar harmonia entre a intervenção e a alameda, o arquiteto buscou integração com a Ricardo Paranhos por meio do paisagismo, usando bastante verde. “O paisagismo é um diferencial do meu trabalho. Sempre busco integrar arquitetura e paisagismo e neste projeto não poderia ser diferente. Minha intenção foi criar uma atmosfera agradável e diversificada com a instalação de floreiras em partes estratégicas, proporcionando áreas com incidência solar variável. Além disso, utilizei diferentes espécies de plantas que fazem parte do cotidiano do goianiense como palmeiras, begonhas e folhagens, respeitando características e o clima da região”, explica Vinicius.
O parklet é feito de estrutura metálica e seu mobiliário de madeira certificada tipo Pinus Autoclavado. O sistema de autoclave, explica o arquiteto, é um cilindro que suporta pressão, em que a madeira é colocada e em seguida produtos químicos preservantes são injetados, a fim de prolongar sua vida útil. “A partir deste processo, a madeira oferece alta durabilidade, economia, segurança, versatilidade, fácil manutenção e garantia de qualidade. O essencial é ressaltar que ao prolongar a vida útil da madeira, reduzimos a necessidade de cortar novas árvores”, afirma.
Parklets em Goiânia
O prefeito de Goiânia, Paulo Garcia, regulamentou os parklets na cidade no último dia 30 de março, por meio de decreto que autoriza, por até três anos, o uso temporário de vias como extensão de áreas públicas voltadas à convivência. A regulamentação estabelece que esses ambientes, geridos pela iniciativa privada, tenham placas que atestem o caráter público e a vedação à utilização exclusiva, inclusive pelo mantenedor do espaço. O poder público municipal também proíbe atividades comerciais dentro desses locais.
O primeiro parklet de da cidade foi inaugurado no final de abril, junto com a Casa Cor Goiás, na Rua Mario Bittar, no Setor Marista, e foi removido assim que a mostra terminou. Atualmente a cidade conta com outros dois: no estacionamento da Praça Adélia Martins, na Avenida 137, e na Avenida 136, ambos no Setor Marista.
O conceito dos parklets foi criado em São Francisco, em 2005, mas ganhou força mesmo em 2010. São Paulo adotou a iniciativa em 2013. Fortaleza, Belo Horizonte e Porto Alegre também já têm as estruturas. O objetivo é estimular processos participativos, incentivar o transporte não-motorizado e aumentar a oferta de espaços públicos.