Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Ford F-150 Rocket League Edition: uma picape de videogame no mundo real

Com bitola mais larga, pneus de 37 polegadas e turbina de foguete na caçamba, ela parece pronta para voar
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Fotos: Divulgação

A Ford F-150 já virou estrela de vários videogames, levando o seu legado de força e desempenho para o universo eletrônico. Agora, ela trilhou o caminho inverso: ganhou uma versão real saída do jogo Rocket League – veja aqui. O modelo foi exibido no Salão de Chicago, nos EUA, primeiro evento do setor a contar com a presença do público depois de 18 meses.

Competição radical que combina duas paixões dos gamers – futebol estilo arcade e destruição automotiva –, o game Rocket League ganhou fama também pela qualidade do design gráfico e por ter controles fáceis de manejar.

No desenvolvimento do Rocket League, a equipe de design da Ford F-150 trabalhou em parceria com os designers da produtora Psyonix para que o jogo reproduzisse as características de estilo da Série F. Como, por exemplo, o formato exclusivo do farol em C, os arcos de rodas arredondados e o emblema “F-150” na traseira.

Como itens exclusivos, a F-150 Rocket League Edition traz grafismos na carroceria, pneus de 37 polegadas, aberturas de foguete nas lanternas traseiras, turbina de foguete na caçamba e uma bitola mais larga que a F-150 Raptor.

A Cinema Vehicles, preparadora de carros para a televisão e filmes, foi encarregada de trazer o veículo virtual para o mundo real. Além de carroceria mais curta e larga, a customização incluiu a grade dianteira e as colunas A, com formato mais agressivo. A caçamba abriga um motor de foguete, com iluminação alaranjada que gira rapidamente para simular uma turbina.

“A F-150 real tem as quatro rodas no chão. No jogo, os veículos voam pelo ar e batem em uma bola de futebol gigante, basicamente. Então ela precisava parecer capaz de fazer isso”, diz Adam Riccobelli, designer da Ford.