Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Livro sobre Sítio Roberto Burle Marx é disponibilizado gratuitamente na internet

Sítio concorre ao título de Patrimônio Mundial da Unesco em julho deste ano
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Vista aérea parcial do Sítio Roberto Burle Marx, que ganha nova expografia, com recursos sonoros e de acessibilidade (Foto: Marlon da Costa Souza)

Localizado em Barra de Guaratiba, na Zona Oeste do Rio de Janeiro (RJ), o Centro Cultural Sítio Roberto Burle Marx (SRBM) – onde o paisagista morou entre 1973 e 1994 – é um espaço singular. Unidade especial do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), o monumento dispõe de um acervo botânico com mais de 3.500 espécies, além de diversas obras de arte de Burle Marx e outros artistas. Pinturas, gravuras, cerâmicas, tapeçarias, murais, painéis de azulejos e mobiliário compõem a coleção.

Esse espaço exuberante está sintetizado no livro Sítio Roberto Burle Marx, que além de vasto material fotográfico inclui artigos de especialistas em arquitetura, paisagismo e artes visuais. A obra foi lançada nesta quinta-feira, 08 de abril. Os textos analisam aspectos da biografia de Burle Marx, bem como de sua produção como artista e paisagista. Além disso, a história do processo de tombamento do Sítio é recontada na publicação. Também ganham destaque apresentações dos jardins, viveiros e do conjunto edificado, como a casa de Burle Marx.

Com imagens de todos os ambientes, o livro possibilita ao leitor percorrer cada cômodo e conferir a ampla diversidade do acervo da instituição, que inclui arte cusquenha, pré-colombiana, sacra e popular brasileira. Uma cronologia dos principais projetos paisagísticos de autoria de Burle Marx completa a publicação, que realça a grandeza do patrimônio preservado pelo Sítio e a sua importância como lugar de memória: repositório ímpar das múltiplas dimensões da vida e obra do paisagista. Todo o conteúdo se distribui ao longo de 309 páginas ricamente ilustradas.

A produção da obra integra o amplo projeto de requalificação do SRBM, executado pelo Intermuseus em parceria com o Iphan e com apoio financeiro do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), por meio da Lei de Incentivo à Cultura. O livro já foi distribuído gratuitamente a bibliotecas, museus e universidades, e encontra-se disponível em versão impressa e digital, que pode ser baixada de forma gratuita. Para saber como adquirir a obra impressa, basta enviar um e-mail a visitas.srbm@iphan.gov.br.

Unidade Especial do Iphan, o SRBM foi doado pelo próprio paisagista ao Instituto em 1985. Tombado como Patrimônio Cultural nas esferas municipal, estadual e federal, o Sítio é um forte candidato ao título de Patrimônio Mundial pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). A reunião para definir a chancela seria em 2020, mas foi adiada para 2021 devido à pandemia de Covid-19.

A 44ª reunião do Comitê do Patrimônio Mundial será realizada online, de 16 a 31 de julho deste ano. O dossiê de candidatura do SRBM foi desenvolvido pelo Iphan. O documento defende o valor universal excepcional do imóvel como laboratório botânico e paisagístico.