Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Entenda por que o inverno é a melhor época do ano para fazer tratamentos de pele

Especialista lista os maiores benefícios de apostar nos procedimentos de beleza durante a época mais fria do ano
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
(Foto: Anna Shvets/pexels)

Temperaturas mais baixas, menos luz solar e mais camadas de roupa são características comuns do inverno, estação que, geralmente, inicia em junho no Brasil e termina em setembro. Segundo a esteticista Isabela Viegas, sócia da clínica JK Estética Avançada, o período é ideal para realizar tratamentos de pele, já que, diferentemente do verão, manter a área coberta é uma tarefa mais fácil.

A especialista explica que, devido a necessidade de recuperação da área, alguns procedimentos requerem cuidados específicos. O principal é evitar a exposição desprotegida ao sol. “O clima mais frio diminui os riscos de haver manchas e de prejudicar o resultado do procedimento, pontos que são, quase sempre, culpas do sol em excesso e sem proteção. O segredo são roupas que cobrem a área toda, protetor solar e curativos bem-feitos”, explica Viegas.

Para aproveitar a estação mais fria do ano, a esteticista separou três procedimentos minimamente invasivos que têm potencial para renovar a beleza no inverno. Veja:

1 – Peeling químico

Em definição, o peeling químico serve para ajudar na regeneração da pele a partir da aplicação de ácidos para retirar as camadas danificadas e promover o crescimento de uma camada lisa. O resultado é uma face sem manchas e linhas de expressão.

Por conta da aplicação de ácido, o procedimento exige cuidado redobrado do paciente com a exposição ao sol, logo, é ideal para ser realizado durante o inverno. Com a redução na incidência dos raios UV (ultravioleta), a recuperação fica mais fácil.

2 – Tratamentos a laser

Muito procurado para depilação ou para redução de cicatrizes, os tratamentos a laser exigem proteção diária contra as luzes solares. Caso contrário, pode haver manchas, cicatrizes, inflamações e outras complicações. Segundo Isabela Viegas, o contato com o sol precisa ser evitado pelo menos um mês antes e um depois da realização do procedimento.

“O laser, além de melhorar a textura da pele, deixando-a mais fina e firme, também auxilia na produção de colágeno. Cada tipo de laser tem características próprias, que exigem cuidados específicos, mas, no geral, a recomendação principal é sempre isolar a área, aplicar os produtos recomendados pelo profissional e evitar a exposição ao sol”, afirma a especialista.

3 – Luz pulsada

Assim como o laser, a luz pulsada possibilita o tratamento de lesões causadas pelo fotoenvelhecimento, com amenização de sardas, manchas, rugas finas, flacidez e mais. A aplicação melhora o aspecto da pele de locais como a face, dorso das mãos, colo e pescoço. Os benefícios são mantidos, em média, por seis meses.