Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

A ciência ouve música. E você?

A música é parte integrante da vida dos seres humanos desde tempos remotos. Tanto a produção musical  quanto a sua percepção auditiva evocam processos mentais, sensoriais e emocionais variados que, boa parte das vezes, estão relacionados a experiências e memórias pessoais,  que variam de um indivíduo para outro.

Várias publicações científicas, relacionadas à própria  música, medicina e psicologia demonstram associação entre a melodia (acrescida ou não de letra) e o comportamento de crianças, adolescentes e adultos.

A música é capaz de promover benefícios no tratamento de várias doenças neurológicas, psiquiátricas e também dos reclusos (de pessoas em confinamento), que é o que ocorre hoje conosco na quarentena, assim como no trauma, na saúde mental como um todo,  e no alívio da dor. Esses estudos são comprovados com imagens de ressonância nuclear magnética funcional.

Além disso, música é um artigo barato, quando comparado a incontáveis medicamentos cheios de efeitos colaterais, que hoje são prescritos no combate à depressão e à ansiedade. Ela é capaz de ativar ou desativar determinadas áreas cerebrais pertencentes ao chamado Sistema Límbico, gerando, com isso, a contenção hormonal que poderia levar ao estresse, por exemplo.

O estresse, particularmente, é uma reação a um determinado estímulo ou  desafio e pode ser positivo ou negativo, se exacerbado. Porém, ele sempre provoca determinadas reações  fisiológicas e emocionais. A intensidade dessas respostas ao estresse é que pode ser danosa e também depende de experiências individuais. Dentre alguns sintomas da resposta fisiológica ao estresse há o aumento da frequência cardíaca, da pressão arterial, a sensação de boca seca, mãos frias e úmidas e intestino solto. Isso ocorre devido à liberação de hormônios como adrenalina, noradrenalina e cortisol, dentre outras substâncias. As respostas emocionais ao estresse seriam: ansiedade, depressão, inquietude e sensação subjetiva de “estar nervoso”.

Assim, vários estudos da literatura médica apontam a música e algumas de suas características como tratamento para essas respostas fisiológicas e emocionais causadas pelo estresse, porque ela provoca distração, relaxamento e sensação de felicidade.

Para essa finalidade é considerado o tipo de melodia, o tempo de exposição a ela, o tempo musical, se é rápido ou lento, se há ou não letra e o que ela diz, e se ela está associada a uma experiência de vida ou a uma lembrança.

Então, por exemplo, a música instrumental, sem letra, com cerca de 60-80 batidas por minuto num metrônomo, provoca relaxamento.

Outro dado curioso é que daqueles que utilizam a música para fins profissionais e terapêuticos, os músicos têm maior acurácia tátil e auditiva, conforme apontam alguns estudos. A música contribui enfim, para melhores resultados em várias esferas da saúde e prevenção de doenças.

Nesse sentido, cantar rotineiramente trouxe benefícios não só pessoais, como também a amigos e seguidores que  fazem uma leitura da minha pessoa e da minha música no que diz respeito à interpretação, emoção e apresentações e enviam incontáveis feedbacks positivos sobre esse trabalho de “anestesista”: retirar emoções e tensões ruins e devolver alegria e relaxamento. Então sim, como cantora estou me saindo uma excelente anestesista.

Não é maravilhoso administrar um remédio natural, barato e bonito?

Rosa Avilla é médica anestesista e atua há 32 anos em hospitais de São Paulo e há poucos meses, assumiu a carreira de cantora que havia deixado de lado ainda jovem para estudar medicina.