VIAGEM - 27/10/2017

Visite Leeuwarden, a Capital Cultural da Europa em 2018


(Foto: Divulgação)

Há apenas uma hora e meia de Amsterdã, a cidade de de Leeuwarden, na região da Frísia, acaba de ser anunciada como Capital Cultural da Europa em 2018. A cidade é um dos tesouros mais bem guardados do país, onde o famoso artista gráfico M.C. Escher e a misteriosa dançarina Mata Hari nasceram.

O projeto criado pela União Europeia destaca a diversidade cultural no continente e promove a contribuição da cultura para o desenvolvimento das cidades. Ser nomeada uma Capital Cultural da Europa - apenas duas por ano ostentam o título - é não só uma grande honra, mas também uma ótima oportunidade para impulsionar o turismo local, ao mesmo tempo que melhora a imagem da cidade pela perspectiva dos próprios habitantes.

Os programas típicos de Leeuwarden incluem fazer compras nas ruas estreitas e charmosas, desfrutar de um passeio de barco pelos canais centenários e descobrir as raízes culturais da Frísia no Museu Fries. Em 2018, os roteiros turísticos básicos são reforçados com uma rica programação cultural, que se estende também a cidades vizinhas, com participação ativa da comunidade local. Nunca houve um momento melhor para visitar Leeuwarden e região.

Ao reunir artistas, cientistas, agricultores, frisões e visitantes com boas ideias, a Capital Europeia da Cultura pretende moldar o mundo como uma comunidade colaborativa aberta (ou "iepen mienskip", como é conhecido localmente na região). Milhares de frísios estão envolvidos na programação, que emergiu de um movimento popular. Novas perspectivas de artistas internacionais levaram a um programa internacional que abraça um sentimento de comunidade e comunhão.

O programa completo consiste em mais de 60 eventos principais e centenas de projetos comunitários, os Mienskip, divididos em quatro temas:

 1. Atreva-se a sonhar: projetos que nos encorajam a sonhar grande;
 2. Atreva-se a agir: projetos que destacam a transformação para um mundo mais sustentável;
 3. Atreva-se a ser diferente: projetos que promovam a diversidade cultural;
 4. Realeza Frísia: as joias e os heróis locais da Frísia.

Os destaques da programação incluem:

(Foto: Divulgação)Mata Hari - Museu da Frísia
Um século após sua morte, o Museu da Frísia apresenta a maior exposição dedicada à vida de Mata Hari, dançarina holandesa condenada à morte por espionagem. Objetos pessoais, fotografias, álbuns de fotos, cartas e registros militares vão apresentar o visitante a Margaretha Zelle, a menina por trás do mito Mata Hari. Viaje com ela de Leeuwarden, sua cidade natal, para as Índias Orientais Holandesas, atual Indonésia, e saiba mais sobre sua fama nos teatros de dança parisienses e como se envolveu em uma teia de intriga durante a Primeira Guerra Mundial, que resultou na sua prisão. Até 2 de abril de 2018.

(Foto: Divulgação)

A Jornada de Escher – Museu da Frísia
O trabalho do artista gráfico Maurits Cornelis Escher é particularmente icônico e faz parte da memória coletiva da população mundial. Quem não está familiarizado com as ilusões de ótica envolvendo pássaros, salamandras, escadas e cubos? A Jornada de Escher será uma extensa exibição do trabalho do mago da perspectiva, que nasceu em Leeuwarden. De 28 de abril a 28 de outubro de 2018.

Veja também