Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Onde fazer trekkings na Patagônia

O sul da Argentina se destaca por seus lugares remotos e excepcionais para explorar a pé
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

O Trekking é um esporte que nos permite estar em contato com a natureza, desfrutar da paisagem e colocar à prova a nossa resistência física. É uma experiência para todas as idades, pois existem diferentes percursos cujos graus de dificuldade variam. Aqui está um panorama das travessias argentinas mais populares.

Bariloche
A duas horas e vinte minutos de voo da Cidade de Buenos Aires, Bariloche se destaca por ser um dos destinos que mais desenvolveu o trekking como opção turística. Tem caminhos para os menos experientes até rotas muito difíceis. Enquanto os circuitos para iniciantes duram aproximadamente 2 horas, os de alta dificuldade podem durar até dois dias (alguns com pernoite). Aqui estão duas sugestões:
Cerro Campanario (dificuldade baixa): O início da trilha se localiza à direita da base do teleférico. A viagem é curta em um caminho acidentado e bastante íngreme. Através dele, você pode chegar ao topo do Cerro Campanario em aproximadamente 45 minutos. No cume há uma confeitaria, banheiros e um mirante de onde se avistam os lagos Nahuel Huapi e Moreno, a lagoa El Trébol, a península de San Pedro, a Ilha Victoria, os Cerros Otto, López, Goye, Bella Vista, Catedral, Capilla, o Hotel Llao Llao e os arvoredos de Colonia Suiza. A descida é feita pelo mesmo caminho.
Punta Princesa – Refugio Emilio Frey (dificuldade alta): Primeiro, deve-se pegar uma das elevações da Catedral Alta Patagônia que vai da base ao cume. Do ponto de chegada do teleférico, deve-se seguir até Punta Princesa, de onde começa a trilha seguindo a beira da montanha. Depois de passar por uma área rochosa por cerca de 3,5 km, há um desvio (à direita indica Refugio San Martín, Laguna Jakob). Preste atenção à sinalização e continue em frente, mantendo o percurso que depois faz uma curva à esquerda para iniciar uma descida muito acentuada em direção a uma zona conhecida como “Cancha de Fútbol”. Faltando os últimos 2 km, o caminho passa primeiro pela Lagoa Schmoll e depois pela Lagoa Toncek, localizada próximo ao Refúgio Emilio Frey.

El Calafate

Está localizado a três horas e quinze minutos de voo da Cidade de Buenos Aires. Um dos principais circuitos deste destino chama-se ¨Big Ice¨: uma viagem de 7 horas no gelo do Glaciar Perito Moreno. Nele é possível encontrar lagoas azuis, fendas profundas, enormes ralos e cavernas misteriosas. O percurso só é adequado para pessoas entre 18 e 50 anos, em boas condições físicas.
Para quem quer fazer um circuito mais curto, recomenda-se o Cerro Cristal, dentro do Parque Nacional Los Glaciares. Apesar de não ser o mais alto da região, a vista é, sem dúvida, um dos melhores pontos que se pode encontrar para se apreciar o Lago Argentino, o Glaciar Perito Moreno e as Torres del Paine. A subida pode ser feita em aproximadamente 4 horas, sempre repleta de vistas incomparáveis.

El Chaltén

A chamada capital argentina do Trekking oferece um impressionante cenário natural com múltiplas e variadas opções de caminhadas, escaladas, excursões ou passeios. Como em Bariloche, é possível fazer caminhadas curtas (ao ¨Mirador Margarita¨ ou ao ¨Chorrillo del Salto¨) como de dia inteiro (à ¨Laguna Torre¨ ou ¨Laguna de los Tres¨). Para quem está começando e quer viver essa experiência em família, a ¨Laguna Capri¨ é uma boa opção: é uma trilha de 2 horas de subida, com vistas espetaculares do Monte Fitz Roy.

Ushuaia
A poucos quilômetros a noroeste da cidade de Ushuaia, localizada a três horas e trinta e cinco minutos de voo de Buenos Aires, está um dos pontos turísticos mais importantes da região: o Glaciar Martial, uma maravilha natural que tem muito a oferecer. Lá você pode praticar o trekking, subindo a pista principal do Centro de Esqui Martial e contornando um pequeno riacho chamado Buena Esperanza, em direção ao glaciar.
Em todos os casos, seja qual for o circuito escolhido, o sucesso da caminhada depende do equipamento utilizado. Recomenda-se calçado adequado para evitar lesões, mochila que protege as costas e melhora a postura, além de roupas impermeáveis ​​e outros recursos como bastões