Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Multipropriedade: em meio à pandemia, novos negócios surgem e mostram que vieram pra ficar

Startup da WAM Group, Segunda Casa, já alcançou a marca mais de 65 milhões em vendas online
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
(Divulgação)

Momentos de descanso e opções de lazer nunca foram tão valorizados e desejados quanto hoje. Proporcionar acesso a patrimônios que viabilizem esses sonhos é um mercado em ascensão. Mas como chegar ao consumidor final com boa parte do turismo passando por restrições? Se é da crise, que vem a oportunidade, neste mês de maio, a Segunda Casa, startup digital criada pela WAM Group, maior comercializadora de multipropriedade imobiliária no Brasil, completa um ano de atuação celebrando marcas relevantes. São mais de R$65 milhões em vendas online, o que corresponde a mais de 1.500 novas cotas imobiliárias no modelo de multipropriedade e geração de empregos diretos e indiretos, que superam 150 postos de trabalho.

Dados da pesquisa Shopping During The Pandemic, realizada ainda em 2020 pela Ipsos, em 28 países, reforçam o potencial do mercado quando o assunto é turismo. Entre os brasileiros ouvidos, 47% têm feito mais compras online do que faziam antes da pandemia da Covid-19. No mundo todo, o índice é de 43%. Os dados apontam uma relação comum dos motivos para o sucesso da Segunda Casa que é a faixa etária do seu público alvo. Cerca de 45% dos entrevistados com menos de 35 anos aumentaram o consumo online na pandemia, contra 40% entre os mais velhos, de 50 a 74 anos. “Hoje, o público alvo da Segunda Casa é de pessoas entre 25 a 50 anos e a grande maioria casados. São pessoas apaixonadas por viagem, que desejam ter sua própria casa de férias e atentas às vantagens que a multipropriedade oferece”, explica o sócio da startup Segunda Casa, Thiago Silva.

De acordo com Thiago, parte do projeto já era executado nos canais de venda digital da WAM, porém com o lockdown, as vendas em pontos presenciais foram afetadas trazendo a oportunidade perfeita para acelerar. “O conceito da startup surgiu em abril do ano passado e em maio já estava em execução. A intenção era criar uma ferramenta para aumentar as chances de mais pessoas conhecerem a multipropriedade, mas de forma virtual e na segurança de seus lares. O fechamento de todo o setor de turismo foi, como toda crise, uma oportunidade de renovação e novos negócios”, explica.

Através da tecnologia, a solução conseguiu transpor a ausência de clientes nas salas de vendas. O faturamento da Segunda Casa juntamente com a aceitação do público surpreenderam. Com uma parte do turismo presencial de volta, as equipes de trabalho têm atuação tanto em ambiente home office, quanto nas bases operacionais de Coworking. “Nossas equipes atuam presencialmente nas cidades de Goiânia (GO), Olímpia (SP), São Pedro (SP), São Paulo capital e no Rio de Janeiro. Estamos em franca expansão e abertos a parcerias com empresas interessadas em representar nossos produtos, independentemente da localização geográfica, pois a WAM consegue atender clientes interessados em possuir a sua Segunda Casa de férias de norte a sul do País”, afirma Silva.

Em 2021, a Segunda Casa aposta num alcance mais massivo. O site de vendas dará lugar a uma plataforma de compras mais imersiva e satisfatória para a experiência do usuário. Atualmente a startup investe em ferramentas de apresentação mais eficientes para o cliente ir virtualmente até o empreendimento. Outro ponto que favorece a expansão dos negócios é a ampliação de destinos e regiões de atuação da WAM. Hoje são 26 empreendimentos em 15 destinos, mas a marca já prevê operar em pelo menos três novas cidades nos próximos anos.

O que é multipropriedade?

Para a WAM, o conceito de multipropriedade é definido como a forma de utilizar uma propriedade de férias em unidade de tempo. Na prática, o cliente investe em conjunto com outros proprietários para utilizar o espaço. Ao adquirir uma casa de férias nessa modalidade, o cliente tem acesso a diversos destinos, o que representa economia. Empregando praticidade, a propriedade compartilhada dá direito a desfrutar das férias segundo um cronograma de uso compartilhado, que o cliente tem acesso com antecedência. Além dos serviços de hotelaria gerenciados por uma empresa experiente, outros diferenciais incluem planejamento para selecionar projetos de arquitetura arrojada que primam por conforto, qualidade na construção, inovação tecnológica, lazer, segurança e localização estratégica. Regulamentando esse processo de aquisição, o cliente tem a sua escritura de imóvel registrada em cartório e assim como os demais proprietários, paga apenas o que utilizar.