Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Isolamento social faz crescer busca por acomodações remotas

Pouco contato com terceiros e experiência completa com a natureza chamam atenção
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
(Divulgação)

Desde 2020 o mundo tem enfrentado uma pandemia que exige isolamento e distanciamento social. O setor do turismo, um dos mais afetados, precisou se reinventar. Foi assim que novos modelos de viagem foram aparecendo. O que já era comum lá fora, ganhou força no Brasil. A procura por cabanas e lugares que vão além da hospedagem cresceu esporadicamente no último ano.

Esse novo modelo de hospitalidade possibilitou que muitos mantiveram sua saúde mental após meses enclausurados em casa. Nunca o termo “fujam para as montanhas” fez tanto sentido. O turismo de isolamento ganhou força e promete se manter mesmo depois que os tempos difíceis passarem. Atualmente, impera a necessidade de acomodações remotas e com pouco contato com terceiros, mas, no futuro, a fuga para lugares que oferecem uma experiência completa na natureza será mantida. Afinal, o home office também veio para ficar.

Experiência

(Divulgação)

Cabanas e qualquer outro tipo de hospedagem não convencional são, na maioria das vezes, projetadas para fazer parte da paisagem. A Nomad Place, em São Bento do Sapucaí, foi criada com esse princípio. Case nas redes sociais, teve a primeira cabana inaugurada em junho de 2020 e atualmente conta com duas A-frames, uma tiny house e vai inaugurar nos próximos dias duas cabanas no estilo domo geodésico.

Halmer Marques, idealizador e proprietário da Nomad Place, viu a curva de crescimento aumentar. Dono de algumas cabanas mais desejadas da região sudeste do Brasil, percebeu a necessidade de colocar todo seu foco em construções de novas experiências. “O terreno é muito bom. Há alguns platôs que podem ser explorados e o plano é criar outras cabanas”, disse. A expectativa é que essas novas construções saiam do papel ainda este ano. “Passo o dia todo no WhatsApp com gente querendo reservar e praticamente não temos mais disponibilidade aos fins de semana até setembro”, explica.

Isolamento social

O isolamento é o grande propósito por lá. Os hóspedes não precisam encontrar ninguém para fazer o check-in e o check-out e a imersão começa no primeiro momento. A vista privilegiada da Serra da Mantiqueira faz parte da experiência. As cabanas foram construídas com muito vidro valorizando a paisagem. Cozinhar complementa a vivência. As cabanas Monto e Vin, as duas A-frames, têm cozinhas completas e com fogão virado para a vista.

Seja qual fora a hospedagem escolhida pelo viajante, em todas ele poderá preparar churrasco, se aquecer na fogueira ou curtir momentos em uma banheira. Todas com vista, claro.

Pouco a pouco as opções por lá crescem. Atualmente também é possível comprar cervejas, vinhos e itens locais – como azeites e doces – no pequeno empório recém-construído. Nele, nenhum tipo de contato é necessário. Como nas hospedagens internacionais, o hóspede pega o que for necessário e paga depois, na base da confiança.

Há também a opção de explorar parte da região pilotando um UTV ou um quadriciclo (valores cobrados à parte). Basta marcar um horário e um guia em moto leva os hóspedes para uma pequena aventura cruzando montanhas e parte do “Caminho da Fé” que passa pela região.

A famosa Pedra do Baú fica a poucos quilômetros das cabanas e também é um bom destino na natureza que pode ser visitado durante a hospedagem.

(Divulgação)