Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Indústria náutica de luxo cresce no Brasil

Líder mundial na fabricação de megaiates cresce 25% em 2020 no país
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
(Divulgação / Azimut Yachts)

Recentemente reconhecido pelo 21º ano como o maior produtor de megaiates de luxo do mundo pelo ranking da Global Order Book, o Grupo Azimut-Benetti, com filial produtiva no Brasil, segue em ritmo acelerado tanto em produção quanto em lançamento de novidades ao mercado náutico global. E, no Brasil, não é diferente. Apesar dos desafios da pandemia, a fábrica brasileira da Azimut Yachts registrou um aumento de 25% no valor de produção em 2020. As projeções também são otimistas por meio da confirmação de novos modelos no país e investimentos em infraestrutura e tecnologia.

“Todos passamos por um ano desafiador. Porém, em termos de náutica, com as inúmeras restrições de viagens, o turismo interno se fortaleceu e a navegação também. Percebemos um considerável volume de clientes interessados em ingressar na Azimut Yachts e outros interessados em barcos maiores”, explica o diretor geral da Azimut Yachts, Francesco Caputo.

O executivo adianta que já está em estudo a vinda de uma nova coleção da marca para o país, a linha Azimut Atlantis. São embarcações de 34 a 51 pés, opções para quem quer ingressar no universo da marca de luxo ou para quem prefere barcos de dimensões mais compactas sem abrir mão da elegância, do alto conforto e da exclusividade italiana.

“Seremos a única fábrica mundial a produzir a já famosa linha Azimut Atlantis. Os barcos serão direcionados tanto ao Brasil como aos mais de 70 países que a marca atualmente tem representações. Isso é um demonstrativo da confiança do Grupo e do alto nível de maturidade que atingimos em termos de produção, seguindo a mesma excelência dos modelos produzidos na Itália e os planos traçados pela Azimut desde 2010 ao Brasil”, destaca Caputo.

A expectativa é iniciar a produção ainda este ano de 2021. Com isso, o aumento de barcos deve dobrar nos próximos 3 anos e o número de empregos – que atualmente é em torno de 400 pessoas – terá um acréscimo nesse período de cerca de 50%. Investimentos em treinamentos tanto para colaboradores quanto a fornecedores também seguem nos planos da empresa, já que toda a produção é complexa e alinhada com cada detalhe dos padrões italianos e certificações mundiais.

Com a exclusividade em produção da linha Atlantis, o estaleiro no Brasil também amplia a sua participação internacional. Em 3 anos, o aumento esperado é em torno de 30% em exportações, especialmente aos países da Europa, além de Estados Unidos e Canadá, onde há alta aceitação da gama Azimut Atlantis.

Tendências

Reconhecida pela Forbes USA como uma das mulheres mais poderosas da indústria de iates italiana, a vice-presidente do Grupo Azimut-Benetti Giovanna Vitelli adiantou novidades e características que devem se manter em alta nesse setor e que também refletirão no mercado Brasil. Entre elas, destaque para inovação, design e sustentabilidade.