Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Cidade do Panamá muito mais do que a Dubai das Américas

Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Que tal descobrir os encantos da Cidade do Panamá nas próximas férias? Conhecida como a Dubai das Américas, o destino revela muito mais faces e encantos a seus viajantes, concentrando uma área antiga rica em cultura, belas praias, variedade gastronômica e, claro, vantajosas opções de compras. Confira bons motivos para visitar esta região realmente múltipla.

Embarque nas tradições – A região do Casco Antiguo, onde tudo teve origem, foi o marco da primeira cidade espanhola no Oceano Pacífico e ponto de partida para a exploração e a conquista do Peru. A histórica cidade colonial começou a ser construída em 1671, depois que o vilarejo foi destruído por piratas. No bairro, é comum observarmos nas ruas o trabalho dedicado e impecável de artesãs que representam a população indígena local. Algumas paradas são obrigatórias, entre as quais os cafés ao ar livre no Parque Bolívar, prédios restaurados como o do Teatro Nacional e a Plaza de Francia.

Cidade do Panamá

Canal do Panamá – Inicie a viagem pelo Canal do Panamá, que conecta o Oceano Atlântico ao Pacífico, facilitando a navegação e o comércio marítimo internacional. Anualmente, o canal recebe 14 mil embarcações. Vale apreciar essa obra-prima da engenharia mundial que ultrapassou 100 anos e conhecer o museu local – que conta desde o início da construção pelos franceses, em 1879, até a retomada pelos norte-americanos e a conclusão do projeto em 1914, culminando na devolução ao governo panamenho. Impressiona a exibição ao vivo do movimento das eclusas que possibilita a passagem dos navios cargueiros e a ligação entre as águas dos dois oceanos.

Biomuseu – No coração da capital, o espaço nasceu da ideia do renomado arquiteto Frank Gehry, o mesmo que projetou o Museu Guggenheim, em Bilbao. O desenho e o colorido do novo museu chamam a atenção na entrada da Calzada de Amador. E muitos se emocionam com a recriação do acontecimento geológico que fez surgir o istmo do Panamá do fundo dos oceanos há 3 milhões de anos, conectando as Américas. Um museu bem didático e dinâmico, com projeções no teto e no chão, peças que podem ser tocadas e muitos outros elementos que ajudam a ressaltar a importância do Panamá para a diversidade natural do planeta.

Skyline

Gastronomia – A culinária local é mestiça, característica comum aos países do Caribe, com influência da gastronomia espanhola, indígena, africana e asiática. Uma das iguarias mais comuns da região é o sancocho, um cozido de frango, além de opções para todos os paladares. Na moderna região da Avenida Cinta Costera, uma interessante dica é visitar o Tántalo, uma mescla equilibrada de hotel-butique, bar, restaurante e balada. Outra recomendação gastronômica é o Maito, comandado pelo renomado chef Mario Castrellón, formado em Barcelona e que voltou ao Panamá há cerca de cinco anos. Mas esqueça a hipótese de adentrar um lugar altamente sofisticado. Pelo contrário, é a espontaneidade, traduzida na charmosa casa, nas criativas receitas e na atenção da equipe, que dá o tom. Uma horta onde são colhidas algumas das folhas e hortaliças utilizadas nos pratos torna ainda mais interessante a experiência.

Praias – No Panamá, praia é o que não falta. São 1.800 ilhas para se apaixonar. O arquipélago de Bocas del Toro, a 45 minutos da capital, é um paraíso caribenho com praias isoladas e pequenos vilarejos, localizado a 32 quilômetros da fronteira com a Costa Rica. Outro cenário deslumbrante é San Blas, na região indígena Kuna Yala e pouco conhecido entre os brasileiros. Este arquipélago rodeado pelo mar do Caribe possui águas realmente transparentes e proporciona uma sensação de total plenitude. A área central é habitada pelos índios kuna, o que reforça a curiosidade em torno do lugar. Para chegar lá, a partir da Cidade do Panamá, são necessárias 2h30 de estrada e mais alguns minutos de barco. O percurso é compensador.

Compras – Quando o assunto é compras, a Cidade do Panamá compete com Miami, com a vantagem de não necessitar de visto. O destino conta com uma variedade deshoppings, duties free e lojas de grifes internacionais de todos os segmentos, oferecendo aos viajantes preços mais acessíveis. O shopping center mais popular é o Metromall, próximo ao Aeroporto Internacional de Tocumen, mas todos os preços são de 10% a 15% mais baixos do que no duty free. Dica: pergunte pelas rebasos, como são chamadas as promoções e pontas de estoque, pois todas as lojas têm. Mas fique atento ao relógio, porque elas fecham às 20h, impreterivelmente.

A Copa Airlines mantém uma oferta de 66 voos semanais para a cidade panamenha, a partir de sete capitais brasileiras – Brasília, Belo Horizonte, São Paulo, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Recife e Manaus. As rotas são operadas com modernas aeronaves Boeing 737-800 Next Generation ou 737-700 Next Generation, respectivamente com capacidade para 155 e 124 assentos. Apenas três horas de Manaus e sete das demais cidades nos separam de um cenário surpreendente e pronto para ser descoberto.