Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

“São vidas, não números, são histórias interrompidas pela pandemia”, diz Caiado sobre as mais de 10 mil vítimas da Covid-19 em Goiás

Em pronunciamento transmitido pelas redes sociais, governador faz apelo à população para que mantenha isolamento social e ações preventivas
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
(Foto: Hegon Corrêa)

O governador Ronaldo Caiado fez um pronunciamento, na tarde desta quinta-feira (18), para se solidarizar com as famílias das 10.045 vítimas da Covid-19 em Goiás e clamar à população que se conscientize sobre o atual cenário da pandemia. “Hoje é um dia triste. Peço a vocês que, por favor, entendam o momento que estamos vivendo. São vidas, não números. São pessoas queridas que se foram neste um ano”, declarou.

As mais de 10 mil vítimas, enfatizou o governador, não se resumem a uma estatística. “São amigos, familiares ou conhecidos. Elas são histórias interrompidas pela pandemia”, disse.  A mensagem, segundo ele, “é para externar meus sentimentos e pesar, de solidariedade a todas as famílias que perderam entes queridos. Quantos também não perdi? Amigos, pessoas queridas”, lembrou.

O governador homenageou os profissionais que atuam na linha de frente, “com coragem e determinação”. Mencionou equipes de saúde compostas por médicos, enfermeiros, técnicos, fisioterapeutas, maqueiros e pessoal de limpeza. Destacou as forças de segurança que estão no que chamou de “campo de batalha”.

“A todo momento recebo a informação da perda de um desses combatentes que estão diretamente com a população ajudando, auxiliando, orientando. Não tem sido fácil, minha gente, manter o ânimo das pessoas vendo cair ao seu lado amigos, companheiros de rotina”, disse o governador.

No vídeo, veiculado pelas redes sociais, Caiado chamou a atenção para o fato de que o vírus é letal e não faz distinção entre pessoas. Cita que as variantes estão mais agressivas, o que requer cuidado redobrado. “Esse novo vírus tem um potencial de transmissibilidade muito maior, com a carga viral muito maior”, alertou. Ele ainda lembrou que, por mais que o governo estadual tenha expandido a estrutura de saúde, a partir dos hospitais de campanha, a demanda é tão grande que os leitos estão quase esgotados.

O governador reconheceu que é difícil conviver com as determinações de “abre e fecha” do comércio e manter as medidas de isolamento social, o que requer ficar distante dos entes queridos. No entanto, pediu a colaboração dos goianos. “Nos deem esses 14 dias, promovam o isolamento”, disse, em referência ao decreto estadual que entrou em vigor na quarta-feira (17) e que restringe o funcionamento de atividades econômicas. “O momento é de lutar pela vida. Este é, indiscutivelmente, a mais importante de todas as nossas metas”, pontuou.

Na última terça-feira (16), o governador determinou novas restrições ao funcionamento de atividades econômicas em todo território goiano. Inclusive, já está em vigor o chamado revezamento 14×14. São duas semanas de restrições e outras duas com funcionamento normal das atividades.

Paralelo a isso, Caiado anunciou um pacote de medidas para combater os efeitos provocados pela Covid-19. As ações visam amparar especialmente os setores econômico e social. Entre elas está a prorrogação do prazo para pagamento do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA); a destinação de R$ 112 milhões para empréstimos a micro e pequenos empreendedores, com taxa de juro zero; a aquisição e distribuição de 250 mil cestas básicas; e o repasse de R$ 28 milhões para ações sociais nos municípios.