Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Julho Verde alerta sobre prevenção de câncer de cabeça e pescoço

Especialistas do Araújo Jorge se preocupam com avanço dos casos devido ao atraso ou abandono do tratamento por medo da Covid-19
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
(Divulgação/HAJ)

Quinto mais frequente entre os homens goianos, o câncer de cabeça e pescoço deveria atingir mais de 40 mil brasileiros até o final do ano. O problema da previsão do Instituto Nacional de Câncer (Inca), feita no início de 2020, é que ela não considerou o impacto da Covid-19 nos diagnósticos, que, por conta do medo que tem afastado as pessoas dos hospitais, vêm sendo feito tardiamente – o que reduz, e muito, as chances de cura contra a doença.

Por isso, ao lado da Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço (SBCCP)  e da Associação de Câncer de Boca e Garganta (ACBG), o Hospital de Câncer Araújo Jorge (HAJ) deve realizar uma força-tarefa para alertar a população sobre os riscos das neoplasias que atingem a região da cabeça e pescoço – principalmente, boca e laringe, seguido por lábios, assoalho da boca e palato, maxilares, nasofaringe, orofaringe e hipofaringe.

Julho Verde

A ideia é aproveitar o Julho Verde, mês de conscientização e combate ao câncer de cabeça e pescoço, para intensificar o diálogo com paciente e acompanhantes, destacando os fatores que contribuem para o aparecimento da doença, como o tabagismo, o consumo excessivo de bebidas alcoólicas e a falta de cuidado com a saúde da boca de forma geral. Além de chamar a atenção para os principais sinais de alerta emitidos pelo corpo.

“Feridas e dores persistentes na boca, aparecimento de nódulo ou espessamento na bochecha, irritação na garganta e dificuldade para mastigar, engolir e mover a mandíbula ou a língua precisam acender uma sirene na cabeça da pessoa”, alerta o oncologista e chefe do Setor de Cabeça e Pescoço do Araújo Jorge, José Carlos de Oliveira. Pelo local passam, em média, 10 mil pessoas e quase 3 mil precisam ser submetidas a cirurgias por conta da gravidade dos tumores.

HPV e câncer de cabeça e pescoço

Neste cenário, José Carlos, que também é membro da SBCCP, chama atenção para outro importante fator de risco: a relação entre o câncer de orofaringe e o aumento de casos do vírus HPV – comum em pacientes que lutam contra cânceres na amígdala e língua.  “Uma das formas de contágio por essa infecção é por meio da prática do sexo oral e em pessoas com múltiplos parceiros sexuais”, explica.

Dados

Até o final de 2021 estima-se que um total de 690 goianos (510 homens e 180 mulheres) devam ser diagnosticados com câncer de cabeça e pescoço – incidência que deve se repetir até 2022. O número é um recorte da projeção feita pelo Inca e que aponta como neoplasias mais comuns neste cenário os cânceres de boca e laringe. Nacionalmente a estimativa é de mais de 40 mil pessoas precisem enfrentar as doenças nos próximos seis meses. O número reforça a importância de iniciativas que conscientizem a população acerca da prevenção e da identificação precoce dos sintomas, o que pode aumentar consideravelmente as chances de cura.