Dia Mundial da Osteoporose: data alerta para o cuidado redobrado com as mulheres

Devido aos hormônios, o gênero feminino é mais suscetível aos sintomas
Dia Mundial da Osteoporose
Imagem de stefamerpik no Freepik

Para cada homem que sofre com a Osteoporose, três mulheres apresentam a doença, de acordo com dados de 2021 do Ministério da Saúde. O “Dia Mundial da Osteoporose”, registrado no dia 20 de outubro, nos lembra da importância da investigação dos problemas no nosso corpo. No Brasil, cerca de 10 milhões de pessoas convivem com a doença, porém somente 2 milhões sabem que têm a enfermidade, que provoca 200 mil mortes por ano no país. O tema da campanha deste ano é: “Agir para a Saúde Óssea”.

A osteoporose se caracteriza por uma perda da massa óssea, de forma silenciosa, em decorrência da redução da absorção de minerais e cálcio, o que gera uma deterioração da microestrutura do tecido ósseo. É uma doença que geralmente acomete as pessoas mais velhas. Dessas, as mulheres são mais acometidas que os homens, em decorrência da ausência do hormônio feminino estrogênio, que ocorre geralmente na fase pós-menopausa, levando a uma redução na formação óssea.

Tipos de osteoporose

A doença se divide em dois tipos: primária e secundária. O endocrinologista do Instituto de Neurologia de Goiânia, Sérgio Vencio, explica que: “a osteoporose primária é o tipo mais comum, ela é marcada por alterações do nosso corpo que acontecem com o envelhecimento natural. O osso é um tecido vivo e como qualquer tecido vivo, com o passar do tempo, diminui seu metabolismo”.

O osteoporse primária ainda se divide em dois outros tipos: a osteoporose pós-menopausa e a senil. A primeira, também conhecida como tipo I, é encontrada apenas em mulheres, devido à rápida perda óssea que ocorre após a menopausa. Isto porque é nessa fase que o estrogênio, hormônio feminino importante protetor e fortalecedor da estrutura óssea, deixa de ser produzido.

Já a osteoporose senil é descrita como tipo II dentro da osteoporose primária, onde a perda óssea ocorre lenta e gradativamente com o passar da idade, tornando-se grave após os 70 anos. Pode acontecer tanto em homens quanto em mulheres. Os principais fatores estão relacionados à diminuição da produção de vitamina D pelo rim e pelo aumento na produção de paratormônio, na tireóide, sendo um dos principais hormônios que controlam os níveis sanguíneos do cálcio e fósforo no organismo.

Já o tipo secundário ocorre quando a osteoporose está associada a outras condições clínicas, como distúrbios endócrinos, do intestino, reumatismo, uso de medicações ou até mesmo por câncer.

“A osteoporose causada por alterações hormonais geralmente está relacionada a alterações da tireóide, como o hipertireoidismo. Os distúrbios do intestino gerados pela cirurgia bariátrica ou por doenças inflamatórias intestinais podem ainda ser suficientes para alterar a estrutura óssea. Medicamentos como vitamina A e heparina podem alterar o metabolismo do osso e também causar fragilidade. Porém, a forma mais comum de osteoporose secundária é causada pelo uso dos corticóides, que quando utilizados por muito tempo, diminuem a formação de osso novo e reabsorvem o osso existente no corpo”, explica o endocrinologista.

Diagnóstico e tratamento

O ortopedista do Instituto de Neurologia de Goiânia, José Gomide, explica que os sintomas na fase inicial são muito discretos e quase não aparecem, sendo detectados já em uma fase avançada, quando a pessoa apresenta deformidades nos ossos, seguido de dor ou apresenta uma fratura. E o diagnóstico se dá com a investigação clínica e confirmação através do exame da Densitometria Óssea, que define a massa óssea.

“A prevenção da osteoporose se dá primeiramente com a ingestão de Cálcio regularmente e Vitamina D, sem essa vitamina a absorção do cálcio fica prejudicada. A atividade física também estimula a formação de massa óssea. Já o tratamento é feito através do ajuste da dieta , atividade física e uso de medicamentos apropriados”, salienta o ortopedista.

Para o endocrinologista Sérgio Vêncio, “além disso, a suplementação de estrogênio e os moduladores seletivos do receptor de estrogênio (antagonistas de estrogênio) podem aumentar a massa óssea e diminuir o risco de fraturas espinhais, já os bifosfonatos orais e intravenosos podem também diminuir significativamente a incidência de fraturas da coluna vertebral e do quadril”, finaliza.

Deixe um comentário


Confira também