Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Confira seis mitos e verdades sobre gripe e vacina

Vacina da gripe é segura, não causa a doença e deve ser tomada anualmente por todas as pessoas com mais de seis meses de idade
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Foto: Steven Cornfield/ Unsplash

Mesmo a gripe sendo bastante conhecida pelos brasileiros, ainda existem vários mitos ao redor da doença e da vacina. É de grande importância que a população conheça os benefícios da imunização e saiba quais são as pessoas que correm maior risco de desenvolver quadros graves da doença, especialmente em um período de pandemia. Confira as principais dúvidas com a infectologista e especialista em vacinas do Atalaia Medicina Diagnóstica/Dasa Maria Isabel de Moraes Pinto.

  1. “A gripe é uma doença leve e não apresenta riscos para o paciente”

Mito! Na maioria dos casos, a gripe realmente não é perigosa e os sintomas costumam desaparecer aproximadamente uma semana após a infecção. “Porém, ela pode causar uma pneumonia que, por fim, pode evoluir para a síndrome respiratória aguda grave (SRAG) e levar a óbito”, conta a infectologista e especialista em vacinas Atalaia Medicina Diagnóstica/Dasa Maria Isabel de Moraes Pinto. “As pessoas em maior risco são crianças de até 5 anos de idade, pessoas a partir dos 55 anos, gestantes e quem possui outras comorbidades, como diabetes e hipertensão”, continua.

  1. “A vacina da gripe pode provocar a doença”

Mito! Os vírus utilizados na produção da vacina da gripe são inativados, ou seja, incapazes de causar a patologia. O que pode acontecer é a pessoa ter contato com o vírus logo antes ou depois de tomar a vacina e desenvolver a doença nesse período, uma vez que a imunidade leva em torno de duas semanas para ser estabelecida no corpo. Além disso, é importante ressaltar que a vacina não impede a contração da gripe, mas reduz drasticamente as chances. Sua eficácia pode chegar a atingir de 70% a 80%, e varia de acordo com o ano.

  1. “A vacina contra a gripe pode provocar eventos adversos”

Verdade!  O principal evento adverso causado pela vacina é dor e inflamação no local da injeção. Efeitos menos comuns são o desenvolvimento de febre, mal-estar e dor muscular, mas que duram pouco. Embora possam causar desconforto, esses sintomas não são perigosos e a chance de desenvolvê-los é baixa.

  1. “Gestantes não podem se vacinar contra a gripe”

Mito! Gestantes não só podem como devem tomar a vacina contra a gripe por fazer parte do grupo de risco. As chances de quadros graves são maiores nas mulheres grávidas e a vacinação protege tanto a mãe quanto o bebê, já que os anticorpos são transferidos através da placenta durante a gestação. Além disso, a imunização da mãe ainda ajuda a proteger a criança durante os seis primeiros meses de vida, período no qual ela não pode ser vacinada contra a gripe.

  1. “Apenas pessoas no grupo de risco devem tomar a vacina”

Mito! A rede pública de saúde oferece a vacina apenas para os grupos de risco, mas todos devem se vacinar. “A vacina tem boa eficácia e é muito segura. Embora seja essencial para os grupos de risco, pode ser aplicada em todas as pessoas a partir de seis meses de idade no serviço privado. Isso é algo muito importante, ainda mais quando temos uma pandemia de outro vírus respiratório”, conta a infectologista Maria Isabel. Como com qualquer imunizante, quanto mais indivíduos estiverem vacinados, mais protegida está a população, uma vez que o vírus tem menos oportunidades de se espalhar.

  1. “Não se pode tomar a vacina da gripe perto da vacina contra a covid-19”

Verdade! Ambas as vacinas são necessárias e uma não substitui a outra, mas recomenda-se que as pessoas que serão imunizadas contra a covid-19 não tomem nenhuma outra vacina em um período de quatorze dias antes e depois de cada dose. A recomendação se dá por não haver ainda dados conclusivos sobre possíveis interações entre os imunizantes.