Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Caiado apresenta plano para retorno às aulas presenciais em Goiás

Estado elaborou um Guia de Implementação do Protocolo de Biossegurança e Medidas Pedagógicas para Retorno às Atividades Presenciais
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
(Foto: Wesley Costa)

O governador Ronaldo Caiado apresentou nesta quinta-feira (22) Plano de Retorno das Aulas Híbridas e um Guia de Implementação do Protocolo de Biossegurança e as Medidas Pedagógicas para Retorno às Atividades Presenciais na rede estadual de educação, em Goiás. Na oportunidade, também anunciou o pagamento de progressões de carreira para 3.516 servidores da Secretaria da Educação.

O governador, juntamente com a secretária da Educação (Seduc), Fátima Gavioli, explicaram que o Guia de Implementação do Protocolo de Biossegurança é extremamente didático. Com 41 páginas, o documento será encaminhado para todas as unidades escolares da rede pública estadual e será disponibilizado no site da Seduc. “Não foi fácil construí-lo porque ninguém tem respostas prontas para a pandemia, mas nós fizemos um documento que, acredito, deixará os pais, estudantes e servidores se sentirem seguros ao ler”, afirmou Gavioli.

“A gente teve uma experiência boa com as escolas que retornaram em 2020”, pontuou a Superintendente de Vigilância em Saúde (Suvisa) da Secretaria de Estado da Saúde (SES), Flúvia Amorim. “Desde que o COE [Centro de Operações de Emergências] deliberou pelo retorno das aulas presenciais, esse protocolo traz claramente em que situação deve ser testado, em que situação o aluno ou trabalhador da Saúde deve ser afastado, e essa testagem deve seguir esses passos.”, acrescentou a Superintendente.

O objetivo é orientar professores e gestores sobre a importância das medidas pedagógicas e de monitoramento constante para a retomada das aulas presenciais. O guia também traz informações sobre a organização do espaço escolar e as medidas de prevenção e controle da Covid-19 durante o retorno gradual das aulas. “É imprescindível a comunicação muito afinada entre pais, trabalhadores da educação e Secretaria de Saúde, para que, na ocorrência de qualquer caso, seja notificado imediatamente para tomar as providências”, completou Flúvia.

“Esse lançamento é um marco para retomada das aulas. Não dá para manter mais os estudantes em casa, sem falar em perda de aprendizagem”, afirmou a Superintendente de Organização e Atendimento Educacional da Seduc, Patrícia Coutinho. “Mas o retorno não pode ocorrer se não for seguro. Para isso, o governo investiu R$ 7 milhões em EPIs e EPCs [equipamentos de proteção individual e equipamentos de proteção coletiva]”, adicionou.

“Foi construído a muitas mãos, pensando um processo de retorno o mais tranquilo, humano e ético possível. É uma prática especial, neste momento de crise, legitimar sentimentos e oportunizar o pertencimento no ambiente escolar”, salientou a Gerente de Segurança e Saúde do Servidor, Jaqueline Rocha Corneti.

Progressões de carreira

O governador Ronaldo Caiado, anunciou também o pagamento de progressões de carreira para 3.516 servidores. Serão 891 beneficiados com a progressão vertical; 2.285 servidores do magistério e 340 administrativos terão a progressão horizontal. Esses benefícios representam um investimento de R$ 1.023.294,52 por mês, pagos com recursos do Estado.

“Cada professor e professora, que já está na folha do mês de julho, vai receber o valor referente às progressões verticais e horizontais”, informou.

“Como eu prometi, todo centavo economizado pela secretaria eu vou repor 100% na Educação. Hoje, vocês têm a progressão garantida pelo governador Ronaldo Caiado em todos os cursos que vocês vierem fazer”, assegurou Caiado. Em contrapartida, pediu aos educadores que se dediquem a cursos de mestrado, doutorado e pós-doutorado.

“Vamos implantar cada vez mais o estímulo para vocês estudarem. Melhorando a qualidade do ensino e a condição do professor, teremos a equação fechada. Locais dignos, alunos tratados com dignidade, segurança e professores estimulados, com vontade de ensinar bem”, arrematou o governador.

No caso da progressão vertical, o reajuste varia de 12,75% a 19,78%. Os acréscimos significam um impacto mensal de R$ 637.602,31, na progressão vertical; R$ 298.678,29 em progressão horizontal magistério e R$ 87.013,92 na progressão horizontal administrativo. Para servidores com o cargo P-III, letra A, que forem para o P-IV, a diferença na progressão vertical será de R$ 425,76 na remuneração. “Hoje é dia não de falar quanto tempo demorou, mas de dizer que acabou a espera”, saudou a servidora da Seduc, Priscila Quintanilha.

O benefício é fruto de uma luta da atual gestão para recompensar o mérito daqueles que foram diretamente responsáveis pela primeira colocação do Estado no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb).

As últimas progressões (vertical e horizontal) concedidas à categoria foram em abril de 2017 e abril de 2018. “Sei a importância da progressão, porque ela nos incentiva a estudar”, afirmou a secretária da Educação (Seduc), Fátima Gavioli. “Ou você almoça, ou tira xerox. Essa é a realidade dos professores no Brasil, mas não pode ser a de Goiás, porque nós somos primeiro lugar em tudo”, adicionou.

Quitação de dívidas

O governador também informou que o Estado está solucionando milhares de processos de diferenças salariais devidas a servidores e ex-servidores da Seduc, que tramitam desde 1994. O pagamento destas dívidas, de responsabilidade das gestões passadas, foi definido como prioridade em 2019 e tem sido efetuado, mês a mês, ultrapassando, atualmente, R$ 53 milhões, reclamados em mais de 36 mil processos.

Só no ano de 2021 já foram pagos mais de 6 mil e 500 processos no valor total de R$ 9.8 milhões. Agora, em julho, serão quitados mais 774 processos, no valor de R$ 1.444.159,46. A quitação destas diferenças salariais beneficia trabalhadores, efetivos e em contratos temporários, lotados em unidades escolares, Coordenações Regionais de Educação e nas sedes da Seduc.

Investimentos

Ao final, Caiado anunciou a entrega, no próximo sábado (24), da reforma do Palácio da Instrução, na Cidade de Goiás. O espaço, implantado por Brasil Ramos Caiado, tio-avô do governador, reunia os professores que coordenavam toda educação estadual à época. “É um privilégio retornar agora nos anos de 2020, como governador, e poder devolvê-lo a vocês. Professores merecem ficar em palácio; é assim que vocês devem ser tratados”. O prédio no estilo art déco foi inaugurado em 1929 para abrigar a Secretaria Estadual de Educação na época. Com o passar dos anos e com a construção do Colégio Estadual Alcides Jubé e a quadra de esportes, o prédio mal podia ser visto por quem passava pelo local.

Por meio da Seduc, o Governo de Goiás já aplicou em recursos para fortalecer o setor educacional R$ 1,37 bilhão de 2019 a 20 de julho de 2021. A folha de pagamento não está inclusa no valor. “Ganhamos laboratório de química, física, Reformar 1 e 2, Equipar. Minha escola está redondinha. Aliás, as escolas do Estado de Goiás”, observou a gestora do Cepi Luís Perillo, Cleidimar de Almeida Leite.

A gestão tem dado atenção especial à reforma de unidades de ensino, uniforme e material escolar gratuitos para alunos da rede estadual, segurança alimentar e inovação. O Programa Reformar investiu, entre 2019 e 2020, R$ 56,8 milhões em pequenos reparos e na manutenção predial das unidades de ensino da rede estadual. Já o Equipar destinou R$ 147,9 milhões às escolas públicas geridas pelo Governo de Goiás. O projeto consiste na destinação de verba para que cada escola adquira, de forma direta e descentralizada, equipamentos como computadores, materiais de laboratório e utensílios de cozinha.

Em setembro de 2020, o Estado anunciou o repasse de R$ 56 milhões para melhorias nas quadras poliesportivas de 173 unidades educacionais. Outros R$ 5,1 milhões ainda serão direcionados para realizar reformas e ampliações em 37 instituições de ensino. Com a pandemia de Covid-19, as unidades de ensino precisaram ser fechadas, mas o Governo de Goiás garante a segurança nutricional dos alunos. Foram investidos, em 2020, R$ 136 milhões no Programa de Alimentação Escolar, divididos em auxílio-alimentação (R$ 54 milhões) e aquisição de kits (R$ 82 milhões).