Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Premiê do Japão promete seguir com Jogos Olímpicos, apesar do aumento do vírus

Yoshihide Suga enfrenta oposição pública à realização do evento
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Yoshihide Suga manteve o compromisso do país de sediar os Jogos Olímpicos de Tóquio (Reprodução)

O primeiro-ministro japonês, Yoshihide Suga, prometeu nesta segunda-feira (18) seguir em frente com os preparativos para a realização das Olimpíadas de Tóquio, diante da crescente oposição pública, ao mesmo tempo em que o Japão enfrenta um aumento nas infecções pelo novo coronavírus (covid-19).

Suga encara maior escrutínio depois que Taro Kono, seu ministro administrativo e de reforma, disse à Reuters na semana passada que os Jogos podem não acontecer conforme planejado, tornando-se o primeiro membro do gabinete a expressar dúvidas sobre a realização do evento.

Os comentários de Kono intensificaram a pressão após pesquisas recentes da mídia mostrarem que cerca de 80% dos japoneses acreditam que as Olimpíadas, já adiadas por um ano devido à pandemia, deveriam ser adiadas novamente ou canceladas por completo.

“Continuaremos com os preparativos, com determinação para construir medidas contra as infecções e realizar um evento que pode trazer esperança e coragem para o mundo”, disse Suga em um discurso político no início de uma sessão parlamentar.

O Japão foi menos severamente atingido pela pandemia do que muitas outras economias avançadas, mas o aumento recente de casos o levou a fechar suas fronteiras para estrangeiros não residentes e declarar estado de emergência em Tóquio e nas principais cidades.

A popularidade de Suga despencou enquanto os críticos classificam o tratamento do governo para a pandemia como muito lento e inconsistente.

Os comentários desta segunda-feira (18) repetem a promessa do presidente do Comitê Olímpico Internacional, Thomas Bach, de que as Olimpíadas de Tóquio serão uma “luz no fim do túnel” na luta contra a pandemia global.