Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Ipê mais antigo da cidade poderá ser tombado como patrimônio goiano

Árvore está localizada na Avenida Contorno, no Setor Central
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
(3Três Consultoria e Criação/Unsplash)

Considerada “a flor nacional”, com florada exuberante e bela, muito utilizada no paisagismo, o Ipê amarelo, localizado na Avenida Contorno, vizinho do Parque Mutirama, poderá ser tombado como patrimônio goiano. A espécie tem cerca de 70 anos e é considerada a mais velha e frondosa da capital. A Agência Municipal do Meio Ambiente (Amma) prepara relatório justificando a proposta que será encaminhada à Câmara Municipal para apreciação no segundo semestre do ano, quando ainda as ruas da cidade estarão tomadas pelo colorido dos ipês.

Segundo o presidente da Amma, Luan Alves, a iniciativa tem o objetivo de ressaltar o valor histórico e a importância paisagística do exemplar, além de ampliar os cuidados com a sua preservação. “O tombamento de uma árvore é uma ferramenta de reconhecimento da relevância ambiental e sociocultural de exemplares que fazem parte da história da cidade e ao mesmo tempo determina a preservação deles, tornando essas árvores imunes ao corte”, explicou.

O nome ipê origina-se da língua indígena tupi e significa casca dura. O mesmo também é conhecido como pau d’arco, porque antigamente os índios utilizavam a madeira dessas árvores para fazer os seus arcos de caça e defesa. Ou seja, há muito tempo o ipê é utilizado como matéria-prima em razão da boa qualidade da madeira, que tem como características principais ser muito densa, forte, pesada e dura, difícil de serrar. Também tem grande durabilidade, mesmo quando em condições favoráveis ao apodrecimento, e é de alta resistência aos parasitas e à umidade.

A bióloga da Amma Wanessa de Castro contabiliza cerca de 10 mil exemplares distribuídos pela cidade, segundo o último levantamento, com predominância para as espécies amarela e rosa. Esse número tende a ampliar, pois, conforme ela explica, a planta é a preferida nas ações de distribuição de mudas organizadas pela Prefeitura de Goiânia. No entanto, ela esclarece que é necessário avaliar a metragem do local escolhido para o plantio. “O ipê amarelo, por exemplo, cresce muito e não pode ser plantado embaixo de fiação ou em calçadas estreitas.”

A árvore pode alcançar de 6 até 14 metros de altura e o tronco de 30 a 50 cm de diâmetro. Elas começam a florescer a partir do final de julho até setembro. Considerada madeira nobre, o Ipê fornece material para estrutura de obras em ambientes externos, construções de pontes, vigas, esquadrias, pisos, escadas, móveis, peças, fabricação de instrumentos musicais, de portas e janelas, dentre muitas outras finalidades.