Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Governo de Goiás e OVG capacitam idosos para o voluntariado

Além de ajudar a passar o tempo, trabalhos manuais trazem melhorias intelectuais a moradores da Vila Vida e Sagrada Família, em Goiânia
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
A moradora da Vila Vida, Isabel Maria de Oliveira, de 80 anos, atua como voluntária na finalização de peças para os enxovais de bebê distribuídos pela OVG (Foto: Cristina Cabral )

Pensando na saúde e no bem-estar de quem vive nas unidades da terceira idade da Organização das Voluntárias de Goiás (OVG), o Governo do Estado implementa uma nova atividade na Vila Vida e no Sagrada Família, em Goiânia: a prática do voluntariado com idosos. Ao receberem o convite, eles participaram de um curso de capacitação do projeto “Voluntários do Bem”, para que compreendessem como seria a iniciativa.

A empolgação e a alegria tomaram conta de todos, ao serem informados que contribuiriam com a assistência a adolescentes e jovens grávidas atendidas pelo Programa Meninas de Luz. Ao todo, 25 idosos aceitaram a missão do voluntariado e, uma vez por semana, recebem mantas para que sejam dobradas e montadas em kits de enxoval.

De acordo com a gerente de Promoção do Voluntariado, Larissa Guimarães, mais que ajudarem na montagem dos enxovais, os novos voluntários da instituição têm a oportunidade de ocupar a mente. “Com a chegada da pandemia, muitos dos nossos idosos passaram a se queixar que sentiam falta de atividades externas e de receberem visitas. Com esse convite ao voluntariado, eles se sentiram valorizados e importantes por poderem fazer a diferença na vida de quem mais precisa. E essa é a missão do voluntário: se doar pelo outro tendo como maior recompensa a realização pessoal”, destaca Larissa, enquanto recorda que não há limite de idade para quem deseja ajudar.

Entre os idosos voluntários, está o senhor Dionísio Sganzerla, de 91 anos. A relação dele com o voluntariado é antiga e durou quase 20 anos ininterruptos. Morador do Sagrada Família há 12 anos, ele se tornou conhecido como o “vovô do xadrez”, em um shopping de Goiânia. Todos os dias, por quase duas décadas, ele se dirigia à praça de alimentação do local, se sentava em uma mesa já reservada para ele e se oferecia para ensinar as técnicas do jogo a quem quisesse aprender.

“Eu acredito que todas as pessoas têm algo a oferecer, mesmo que não saibam disso. O xadrez, por exemplo, é um esporte riquíssimo e que ajuda a manter a mente sempre alerta, sempre jovem. Eu já aposentado, vivendo aqui na OVG, estava com tempo livre. Então pensei: vou ensinar xadrez para essa moçada aí. Assim eu fiz. E, se não fosse a pandemia, estaria lá até hoje. Como não posso, o pessoal do Governo veio com essa ideia fantástica de nos convidar para sermos voluntários”, comenta senhor Dionísio. Além de dobrar as mantas para os enxovais, ele se ofereceu, ainda, para ensinar xadrez aos jovens atendidos em outras unidades da Organização.

Quem também dedicou boa parte de sua vida a ajudar quem precisa foi a dona Isabel Maria de Oliveira, de 80 anos, uma das moradoras da Vila Vida. Conhecida entre todos como Bebel, ela diz que o voluntariado a acompanha desde a juventude. Em sua trajetória, ela já foi freira, professora de crianças na zona rural e até auxiliar de enfermagem, além de cozinheira, jardineira e faxineira, sempre como voluntária.

“Quando ainda era mocinha, entrei para o convento e me tornei freira. Lá, eu ajudava de todas as formas, desde limpar o chão até fazer ações fora, com as pessoas necessitadas. Um tempo depois, o convento foi fechado, aí deixei de ser religiosa, mas continuei ajudando as pessoas como professora de crianças sem cobrar nada, na roça. O tempo passou, a idade chegou, e fui viver em um abrigo. Como lá também era um hospital, acabei me oferecendo para cuidar dos doentes, lavar roupas e cozinhar. Agora, aqui na Vila Vida, também posso ser voluntária dobrando os enxovais para a OVG. Isso me deixa realizada”, comenta a idosa, enquanto mostra o certificado de “Voluntária do Bem”, adquirido na capacitação, o primeiro que recebeu em sua longa trajetória fazendo o bem.

Para a presidente de honra da OVG e coordenadora do Gabinete de Políticas Sociais, primeira-dama Gracinha Caiado, a experiência de vida dos idosos enriquecerá ainda mais o trabalho social do Governo. “Eu fico realmente encantada ouvindo histórias como a do senhor Dionísio e da Bebel. São duas pessoas com muita bagagem de vida e que têm muito a nos ensinar. Para mim, e para o governador Ronaldo Caiado, é um grande orgulho tê-los conosco nesse projeto de voluntariado e uma alegria enorme saber que os enxovais chegarão até as mães atendidas pela OVG carregados de amor. Não é só o convite para uma ação, é a valorização da vida e da capacidade de cada um deles”, enfatiza a primeira-dama.

Voluntários do Bem

O fortalecimento do voluntariado é um dos principais objetivos do Governo de Goiás, por meio da OVG. A instituição capacita pessoas interessadas em atuar na área e orienta entidades sociais que querem receber esses voluntários, fazendo o intermédio para que o “Fazer o Bem” chegue ainda mais longe. Neste ano, 362 voluntários foram capacitados pela iniciativa.

Segundo a diretora-geral da Organização, Adryanna Melo Caiado, a atual gestão acredita que pequenos gestos e atitudes contribuem para a formação de uma rede solidária capaz de garantir uma sociedade mais fraterna. “Temos a convicção de que alcançaremos cada vez mais famílias em vulnerabilidade social e melhoraremos ainda mais a vida de cada uma delas. São muitas as nossas frentes de trabalho, e quanto mais pessoas atuando ao nosso lado, mais pessoas serão beneficiadas”, comenta Adryanna.

Para quem deseja conhecer a missão dos voluntários da OVG e ter acesso ao curso de formação, áreas de atuação e vagas disponíveis, basta acessar a Plataforma do Voluntariado. A ferramenta também serve como uma ponte entre aqueles que querem contribuir com doações de recursos, produtos ou serviços para mudar a realidade de quem precisa de ajuda.