Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Fotógrafo resgatado após queda de avião envia livro de agradecimento a equipe médica, em Goiânia

Rui Rezende foi transferido após a queda do avião experimental em que viajava para produzir livro Oeste da Bahia: O Novo Mundo, em 2014
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
(Foto: Rui Rezende)

Satisfação e gratidão são as palavras do fotógrafo Rui Rezende endereçadas à equipe médica da Brasil Vida Táxi Aéreo, em Goiânia, na dedicatória emotiva que acompanhou uma das obras mais marcantes da vida do profissional, Oeste da Bahia: O Novo Mundo. Em 24 de julho de 2014, o artista sobrevoava a região Oeste do Estado produzindo imagens para o livro quando o avião experimental em que viajava caiu. No oitavo dia em coma induzido no Hospital do Oeste, Rui foi transportado em um voo aeromédico da Brasil Vida para uma unidade de saúde em Salvador com mais estrutura hospitalar, onde se recuperou algumas semanas depois.

Na dedicatória que acompanhou o exemplar à empresa que o transportou, Rui menciona “sentimento de gratidão” pelo atendimento recebido naquele trajeto crucial e que foi realizado sem intercorrências. “Eu estava ‘morto’ quando fui transferido aos seus cuidados e atenção, mas minha mulher, que também estava no voo, pode ver profissionalismo e perícia nas suas ações.”, anotou o artista em livro enviado ao coordenador aeromédico da Brasil Vida, Gilberto Júnior, que atuou naquela missão. “Deus ilumine seus caminhos sempre”, completa a mensagem. A médica que estava a bordo, Patrícia Rezende, também recebeu uma edição com agradecimento pessoal.

Oeste da Bahia: O Novo Mundo, que chegou às mãos dos profissionais da saúde, foi lançado ainda naquele ano, quando Rui voltou ao seio do lar, da família e de sua grande paixão, a fotografia, depois de 42 dias de internação. Este foi o quarto livro de Rui. De lá para cá, hoje com 21 anos de carreira, o artista lançou outros três títulos, sempre ressaltando as belezas da fauna e flora. “Com o trabalho de vocês, quem precisa ter uma vida normal, continua a ser pai, amigo, artista”, destaca ao mencionar que o livro demorou para chegar. É que Rui estava entretido vislumbrando paisagens e tirando fotos por aí. Aliás, o primeiro clique dele após deixar o hospital foi feito em 1º de janeiro de 2015 do alto, em um helicóptero, da procissão fluvial de Bom Jesus dos Navegantes, na Baía de Todos-os-Santos.

Rui Rezende é um dos mais importantes nomes da fotografia baiana e, entre as produções, se destaca Chapada Diamantina: Um Paraíso Desconhecido, que reúne imagens de um acervo de mais de 50 mil fotos tiradas pelo fotógrafo ao longo dos primeiros 13 anos de trajetória. O fotógrafo se destaca pela beleza das imagens dos municípios que seus olhos e lentes alcançam. Atualmente, trabalha no projeto Bahia Aérea, que visa publicar registros feitos a bordo de helicóptero de pontos turísticos, áreas preservadas e cenas flagradas no cotidiano, como colheita de soja, arado com tração animal e até regata náutica.

Para Gilberto Júnior, manifestações como estas são suficientes para demonstrar a importância do trabalho que a equipe executa diariamente nos céus de todo o país. “Não existe valor monetário que pague ou compre a emoção de saber que o seu serviço foi o diferencial na vida de alguém. Todo nosso time se enche de felicidade ao saber que contribuiu e contribui para a vida das pessoas, pautando suas ações na ética, profissionalismo e humanização”, divide o profissional.

(Foto: Rui Rezende)
(Foto: Rui Rezende)