Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Etarismo: mesmo com avanços há discriminação do mercado de trabalho com mulheres idosas

Especialista explica que mulheres sofrem mais preconceito no mundo cooperativo
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
(Foto: LinkedIn Sales Solutions/Unsplash)

O crescimento da população idosa está aumentando no Brasil. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o país conta com mais de 32,9 milhões de idosos. Entre os anos de 2012 e 2019, houve um aumento de 29,5% na população idosa brasileira. A expectativa é de que o número aumente para 58,2 milhões de idosos em 2060.

Diante desses números surge a reflexão: o mercado de trabalho está se preparando para essa inversão na pirâmide etária brasileira? Segundo a psicóloga da Seção de Recrutamento e Seleção do Sesc e Senac Goiás, Kamylla Stefany, o etarismo, discriminação pela idade, é uma realidade que precisa ser discutida no mercado cooperativo.

“O etarismo é muito comum, principalmente na faixa etária maior, e tem pesquisas que revelam evidências do etarismo mais frequente com a população feminina. A mulher vem alcançando cada vez mais espaços, mas isso infelizmente ainda é um grande desafio”, explica Kamylla Stefany.

As mulheres vivem mais, mas têm carreiras mais curtas e ascendem menos à liderança. A competência, experiência e a formação acadêmica, no entanto, não impedem de serem discriminadas depois que entram nos 50 anos. Elas são acostumadas a ouvir piadas cotidianas sobre sexo, menopausa, aparência e outros aspectos ligados ao envelhecimento.

De acordo com a psicóloga Kamylla Stefany, a forma como a mulher é vista pela sociedade ainda é diferente da forma que a sociedade enxerga o homem. Mulheres com cabelos brancos são interpretadas de formas diferentes em relação aos homens grisalhos, por exemplo.

Para a especialista, as empresas e os líderes de equipes precisam perceber que formar times com diferentes gerações é benéfico para todos. Por ter mais experiência, segurança e vivência, a profissional madura pode ser um ponto de equilíbrio em times com jovens ansiosos em ganhar o mundo.

“A base de tudo é informação e conhecimento. As empresas precisam fazer os treinamentos de reciclagem, proporcionar inclusão digital dessas mulheres, trazendo uma didática que envolva toda a equipe e proporcione conhecimento para elas”, afirma Kamylla Stefany. Ademais, ela aconselha que as mulheres idosas também busquem conhecimento, especialmente no mundo tecnológico para continuarem no mercado de trabalho.