Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Em Goiás, empresários se mobilizam por vacinação

Movimento Unidos pela Vacina defende que a vacinação em massa é o único caminho para deter a pandemia de Covid-19
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Liderado nacionalmente pela empresária Luiza Helena Trajano, movimento Unidos pela Vacina tem como objetivo contribuir para que toda a população brasileira esteja vacinada contra a Covid-19 até setembro deste ano (Divulgação)

Lançado oficialmente no Brasil em fevereiro deste ano e tendo como marco inicial em Goiás uma reunião de empresários realizada de forma remota na última quinta-feira (11), o movimento Unidos pela Vacina tem conquistado avanços significativos em pouco tempo com a adesão expressiva de lideranças empresariais e prefeitos goianos.

Liderado nacionalmente pela empresária Luiza Helena Trajano, presidente do grupo Mulheres do Brasil, tem como principal objetivo contribuir para que toda a população brasileira esteja vacinada contra a Covid-19 até setembro deste ano.

O Unidos pela Vacina tem como um dos principais objetivos levantar dados de todos os municípios goianos para identificar gargalos e entraves à ampla imunização da população e, desta forma, apresentar soluções e propor ajuda do setor privado. Embora o objetivo seja audacioso, a mobilização de empresários e de entidades tem surpreendido.

Sandra Méndez, do Colegiado de Líderes do Núcleo Mulheres do Brasil, juntamente com Helena Ribeiro e Elaine Moura, diz que a primeira reunião deflagrou a adesão de todas as entidades que dela participaram e várias outras têm se engajando. Em um trabalho organizado em pouco tempo, a adesão de prefeitos goianos passou de 14 para 125 em apenas uma semana.

“Na semana passada tínhamos 14 municípios e já estamos com 125. Estamos recebendo a manifestação de apoio de muitos prefeitos, pois sabemos que só voltaremos à normalidade quando tivermos pelo menos 70% da população vacinada”, afirma Sandra Méndez. A Assembleia Legislativa e a Associação Goiana dos Municípios (AGM), por exemplo, têm ajudado no contato com os prefeitos, assim como a Central Única das Favelas (Cufa) tem atuado como um braço do movimento para alcançar as populações das periferias e comunidades.

Entraves

Um dos entraves que o movimento deparou é com a resistência à vacina. “Apesar de pesquisas apontarem que caiu muito, ela ainda existe e em todos os níveis sociais. No caso das comunidades, a nossa parceira Cufa já tem realizado um trabalho de combate às fake News, pois o que sustenta esse medo são elas. Aqui em Goiás fazemos também esse trabalho de esclarecimento, junto com professores da Universidade Federal de Goiás, com financiamento de um fundo escocês. É um recurso que veio de fora, que soma ao nosso projeto e vai além”, explica Sandra Méndez.

Outro desafio que precisa ser superado para o sucesso do movimento e, consequentemente, o controle da pandemia, é a falta de consciência por parte de alguns estratos da sociedade, especialmente de pessoas mais jovens, em relação à importância do distanciamento social e outras formas de prevenção, a exemplo do uso correto de máscaras.  Pensando nisso, o Movimento Unidos pela Vacina deve lançar nos próximos dias uma campanha direcionada aos jovens, também executada de forma voluntária, e que deve buscar o apoio dos meios de comunicação tradicionais e digitais, se estendendo também para as redes sociais.