Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Correio do Afeto – ação humaniza processo de doação de sangue

Para celebrar o Dia Mundial da Gratidão, pacientes que necessitam de sangue durante tratamento escrevem cartinhas de agradecimento para doadores. Recados emocionam destinatário
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
O Dia Mundial da Gratidão, celebrado nesta segunda-feira (21), tem sido comemorado no Instituto Goiano de Oncologia e Hematologia (INGOH) e de um jeito muito carinhoso. Alguns doadores de sangue estão sendo surpreendidos com cartinhas de agradecimento, escritas por pacientes assistidos na unidade de saúde e que necessitam de sangue durante o tratamento. A ação foi pensada para humanizar ainda mais a assistência, ato que faz parte da rotina do INGOH. Importante ressaltar que o sigilo entre doador e receptor foi mantido, pois os pacientes fizeram uso de sangue doado em outra ocasião.
Estreitar o elo existente entre doador e receptor é uma forma de demonstrar na prática a importância da doação de sangue. Pensando nisso, o INGOH idealizou o Correio do Afeto, iniciativa que possibilita aproximar as duas partes desse processo. Os recadinhos emocionaram os destinatários, que seguravam nas mãos uma prova do quanto a atitude voluntária da doação de sangue é essencial para salvar a vida de alguém.
“Amor e caridade são a essência da vida”. Norteado por essa frase, o policial militar Gilmar de Barros Vieira doa plaquetas no INGOH desde o início da década de 2000 e, nesse tempo, já completou 240 doações. “A gente tem que fazer algo pelo próximo e doar é uma forma de ajudar a quem precisa. Aproveitando o Dia Mundial da Gratidão, eu sou muito grato por poder estar aqui fazendo essa doação. É com muita alegria que venho e com muito orgulho que sou doador!”, enfatiza Vieira.
Leandro de Paula Carrijo, consultor de vendas, também é doador de longa data no INGOH. Ele fez a sua primeira doação em 1999 e afirma que “é um gesto que não me custa nada e pode ajudar muita gente. Se eu posso salvar vidas e não me causa mal algum, por que não o faria?!”, completa Carrijo. Ele também foi surpreendido por um recadinho emocionado. Esse, inclusive, foi escrito pela enfermeira Joyce Camargo, que é lotada no setor de Quimioterapia do INGOH. Para a profissional “a atuação dos doadores reflete diretamente no nosso trabalho. Eles são essenciais para nos ajudar a salvar vidas aqui”, relata.
Na outra ponta, Sofia Marques, de 5 anos, faz acompanhamento para controle de anemia falciforme, no INGOH, cujo tratamento precisa de transfusão sanguínea. Além do Correio do Afeto oficial, ela fez questão de produzir uma linda pintura: uma menina rodeada por corações. “Fiz esse desenho porque eu quero espalhar amor no mundo e agradecer por tudo”, conta a pequena.
Geilson Costa doa sangue, em Goiânia, há 4 anos, e conta que nunca recebeu uma cartinha assim. Ele foi surpreendido com o agradecimento de uma paciente que preferiu se identificar por Delfina. No Correio do Afeto ela escreveu: foi uma doação como a sua que ajudou a salvar a vida do meu neto, por isso, sou eternamente grata. Costa fez questão de agradecer o recado e completou que “doar sangue é a forma mais genuína de amor e carinho para com o próximo, pois você não escolhe quem vai receber, não sabe cor, sexo, religião, nada… você só sabe que vai ajudar a salvar a vida de alguém. Quem ama de verdade, pode doar sangue, pois é a melhor forma de demonstrar o seu amor”.
Para finalizar, Carrijo, que já tem quase 150 doações no INGOH, fez questão de fazer uma convocação: convido outras pessoas a virem doar também. Não dói. Não incomoda. E salva a vida de muita gente. Venham doar sangue! Esse apelo também foi acompanhado pela mensagem de Geilson Costa. Ele corroborou a chamada de Carrijo e completou “doe sangue você também!”.