Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Chuva de meteoros poderá ser vista na noite de hoje (12) do Brasil

Evento, que vai até 24 de agosto, é mais intenso no hemisfério norte, mas também poderá ser observado pelos brasileiros
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
(Foto: Andy Holmes/Unplash)

A noite deste 12 de agosto representa uma boa oportunidade para quem gosta de observar o céu na busca pelas chamadas estrelas cadentes. Desde ontem (11), o planeta Terra testemunha o pico de atividades de uma chuva de meteoros chamada Perseidas, nome dado à área do céu de onde os meteoros parecem se originar, localizada próximo à constelação Perseus.

Essa chuva é formada pelas partículas liberadas pelo cometa 109P Swift-Tuttle durante seus inúmeros retornos ao Sistema Solar interno. Ela está ativa desde o dia 17 de julho, podendo ser observada até 24 de agosto, em especial para quem está no hemisfério Norte. “Mas os brasileiros podem observá-la, ainda que em menor intensidade”, informa o Observatório Nacional.

No auge do evento, são registradas de 75 a 100 ocorrências de meteoros por hora (para habitantes do hemisfério Norte), em velocidades que podem chegar a 60 km por segundo. Para melhor observá-los, o mais indicado são locais afastados da luminosidade urbana.

“Nos centros urbanos observa-se menos atividade, pois somente os mais brilhantes ficam visíveis onde há muita iluminação artificial”, explica o astrônomo do Observatório Nacional e pesquisador do Inmetro Marcelo de Cicco.

Segundo o Observatório, chuvas de meteoros não representam riscos para a Terra e acontecem em praticamente todos os meses do ano. O mês de agosto terá outros eventos do tipo: as chuvas Delta Aquarídeos do Sul e Alfa Capricornids, que também estão ativas; e, ao final do mês, entra em atividade a chuva Aurigids.

De acordo com o Observatório Nacional, o período que vai de outubro a dezembro é o que apresenta a maior concentração de chuvas com intensidade relevante, com destaque para as Orionids, Leonids e Geminds, respectivamente.