Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Campanha do Hospital de Câncer Araújo Jorge reforça perigos da desnutrição

Problema pode, entre outras coisas, facilitar o desenvolvimento de infecções hospitalares, impactar o sistema imunológico e reduzir a resposta do paciente ao tratamento
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Reduzir as taxas de desnutrição entre os pacientes internados é, sem dúvida, um dos maiores desafios do Hospital de Câncer Araújo Jorge (HAJ). Isto porque o perfil nutricional de quem luta contra a doença, e precisa ficar internado, tem relação direta com o sucesso do tratamento. “A desnutrição facilita o desenvolvimento de infecções, retarda o processo de cicatrização, em casos cirúrgicos, e debilita ainda mais o sistema imunológico do doente. Em linhas gerais, ela piora a resposta ao tratamento”, explica a nutricionista Neusa Dias de Moura.

Responsável pelo Setor de Nutrição do HAJ, a especialista está à frente da campanha Juntos Contra a Desnutrição – ação que pretende, a partir de hoje (31 de agosto), quando celebra-se o Dia do Nutricionista, reforçar os perigos do problema dentro dos hospitais oncológicos. O alerta será voltado principalmente para a equipe médica da unidade de saúde, na intenção de aprimorar o fluxo de encaminhamento dos pacientes para acompanhamento nutricional. “O objetivo é identificar o perfil nutricional no momento da internação, com uma triagem específica. Assim é possível, por exemplo, detectar aqueles em risco nutricional e tratá-los antes que entrem num quadro de desnutrição.”

Neusa lembra que, devido à natureza do próprio tratamento, a desnutrição hospitalar é muito comum em pacientes oncológicos hospitalizados, condição que pode ser agravada dependendo do tipo, localização e estágio do câncer. “Além da perda do apetite, causada pelas alterações nas papilas gustativa, e a redução na ingestão total de alimentos, há um aumento da demanda calórica devido ao crescimento do tumor, o que contribui para o diagnóstico de insuficiência de nutrientes”, alerta, já justificando a importância da chamada terapia nutricional – acompanhamento por meio do qual é possível diminuir o número de dias na UTI e ainda o custo hospitalar.

Um em cada três pacientes são afetados

Segundo dados da Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral (BRASPEN), a desnutrição hospital, que afeta uma em cada três pessoas internadas, pode triplicar o tempo de estadia do paciente nas unidades de saúde, aumentando em até quatro vezes o risco de lesões por pressão e elevando os riscos de atrofia da musculatura, insuficiência respiratória e pior da resposta imunológica. Na realidade oncológica, os riscos são ainda maiores: mais da metade dos pacientes necessita, em algum momento da internação, de aconselhamento nutricional e cerca de 30%, de suplementação.

“Na intenção de reduzir a necessidade de suplementação queremos melhorar, cada vez mais, o entrosamento entre as equipes, que já são multiprofissionais. Fazendo o nutricionista mais presente na rotina do paciente, conseguiremos elevar a efetividade do tratamento”, explica Neusa. A especialista se refere tanto a práticas habituais, como a pesagem e a medição muscular do paciente, quanto a novas iniciativas, como a implantação do Formulário de Registro Alimentar – documento que registra o consumo alimentar de cada paciente.

“Além disto, trabalhamos, por exemplo, com carrinhos térmicos; que mantém o alimento numa temperatura mais agradável; e com o projeto Cozinha Humanizada; que oferece atendimento individualizado, de acordo com as preferências alimentares dos pacientes que têm maior dificuldade em aceitar a dieta.”

Iniciativas do tipo ganham ainda mais relevância num cenário onde a desnutrição calórica e proteica em pacientes internados com câncer no Brasil chega a 66,4%, índice bem mais alto do que de pacientes internados por doenças de modo geral (50%). Os dados são do Inquérito Brasileiro de Nutrição Oncológica (IBNO), publicação que descreve, em linhas gerais, o estado nutricional do adulto com câncer nas diferentes fases da doença e do tratamento.