Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Albert Einstein faz parceria com Hospital Órion

Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Quais são as tendências mundiais de saúde? E do que a saúde goiana precisa para preparar para o futuro? Essas são algumas questões respondidas por um estudo realizado pela Sociedade Israelista Albert Einstein em Goiânia. As informações nortearam a consultoria da organização ao Hospital Órion para se tornar o primeiro hospital de categoria Premium de Goiânia, que está sendo preparado para atender a demandas de alta complexidade. Nessa quinta, 25 de agosto, estarão em Goiânia integrantes da diretoria da Sociedade Israelita Albert Einstein para apresentação à classe médica sobre o funcionamento da consultoria em evento marcado para às 19h, no auditório Lago Azul do Centro de Cultura e Convenções de Goiânia.

Na oportunidade, serão comentados alguns dados sobre o estudo, que traçou as doenças ou problemas que mais levam as pessoas óbito em Goiânia. Doenças do aparelho circulatório estão no topo do ranking, com 25% das mortes; em segundo lugar estão as neoplasias (tumores cancerígenos), com 19,1%. Chama atenção a terceira causa de óbitos, as mortes por causas externas, ligadas a agressões (principalmente por armas de fogo) e por acidentes de trânsito (especialmente aqueles envolvendo motocicletas). Elas respondem por 15,9% dos óbitos em Goiânia e chamam atenção no estudo, por estar bem acima dos índices das capitais do Rio de Janeiro (8,4%) e São Paulo (8,7%).

A pesquisa foi elaborado pela S&DW, empresa com atuação internacional em consultoria especializada no manejo global de informação estratégica. O estudo reúne uma coletânea de dados, no período entre 2010 e 2015, de diversos órgãos como Ministério da Saúde (DataSus), IBGE, Agência Nacional de Saúde (ANS) e outros.

Os problemas, especialmente ligados a traumas e cânceres, necessitam de atendimentos de alta complexidade, cuja demanda identificada pelo estudo gira em torno de 300 mil pacientes, enquanto apenas 37% dos hospitais da capital possuem estrutura para este tipo de demanda. O estudo aponta ainda que capital segue uma tendência mundial de aumento no número de óbitos causados por doenças cancerígenas.