Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

1º de outubro: Dia Nacional do Idoso

A data reforça a importância de manter os cuidados com a saúde principalmente neste período de pandemia da Covid-19
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Dia Nacional do Idoso
Foto: Divulgação

Hoje, dia 1º de outubro, comemora-se o Dia do Idoso. No Brasil são consideradas idosas, pessoas com mais de 60 anos de idade. Atualmente no país, os idosos representam 14,3% da população, ou seja, 29,3 milhões de pessoas. Em 2030, o número de idosos deve superar o de crianças e adolescentes de zero a quatorze anos. E pensar na velhice é tarefa de todos, principalmente neste período de pandemia. A médica geriatra e sócia-proprietária do Instituto Viva BemZélia Santana, lembra que mais do que nunca, esse ano a data é um momento para reflexão. “ Devemos observar como estamos cuidando dos nossos idosos, o que fizemos e estamos fazendo para proteger a saúde deles e o que estamos fazendo para dar qualidade de vida para essa população”, enfatiza.

Saúde do idoso

A geriatra também reforça que é preciso redobrar os cuidados com a saúde das pessoas que estão na terceira idade. Os idosos formam o grupo que corre mais risco de desenvolver as complicações do novo coronavírus, que podem levar à morte. Muitos recuperados da doença também sofrem com as sequelas que a Covid-19 deixa.

“Aquele idoso que é acometido pela doença têm uma perda funcional muito grande. E é extremamente relevante que todos saibam que o idoso após se recuperar da doença deve continuar com o acompanhamento médico. Já que a enfermidade pode deixar sequelas porque ataca não só os pulmões, mas os rins, coração, cérebro e músculos e não apenas o pulmão”, ressalta.

Distanciamento Social

Diante disso, é necessária uma reabilitação também multiprofissional e sistêmica. Após se curar, o idoso deve iniciar a reabilitação com médico geriatra que poderá indicar suplementação nutricional, com fisioterapia evoluindo para atividade física mais intensa e outras necessidades particulares de cada idoso.

A médica também reforça que é necessário distanciamento social, mas que não pode ocorrer abandono afetivo. O idoso deve continuar tendo contado com a família mesmo que de longe. “Devemos afastar socialmente as atividades, mas é importante que o idoso se mantenha ativo tanto físico como mentalmente. E isso pode ser feito por meio de atividades online, ou até mesmo em parques e praças fazendo caminhadas, mas mantendo o uso de máscara, higienização com álcool gel e o distanciamento social. Em casa, é possível fazer atividades com a supervisão online de um profissional, finaliza.