Iluminação dos ambientes merece atenção especial

A combinação de luz e cores presentes em um determinado ambiente é tão importante quanto os móveis e os objetos de decoração. Um bom projeto de iluminação completa o espaço arquitetônico, valorizando suas qualidades. Seja um imóvel comercial ou residencial, a luz influencia diretamente no comportamento das pessoas que passam por ele. Segundo a arquiteta da Emplavi, Suelene Wanderley, a iluminação não é mais um fator coadjuvante na decoração dos empreendimentos. De acordo com a profissional, os efeitos da luminosidade podem promover conforto, aconchego e elegância.
O primeiro passo para uma boa iluminação é a elaboração do projeto de decoração. “Este deve ser feito por um especialista capacitado. Também é interessante que o proprietário já tenha em mente algumas características que pretende implantar na decoração”, ressalta Suelene. Uma dica para ambientes pequenos é optar pela iluminação indireta.

Um dos principais aspectos que precisam ser previamente definidos, par
a que a iluminação valorize os aspectos desejados, é o tipo de teto. “Os tetos rebaixados em gesso ou lambri, outro produto facilitador da iluminação, são os melhores para ressaltar a luz”, indica. “Eles estão sempre em conjunto com a boa iluminação. Dependendo do formato, é possível usar

luminárias embutidas, direcionáveis ou não, que permitem a distribuição do foco de l
uz e a valorização do ambiente”, reforça.
Para a arquiteta, é essencial manter no mesmo espaço algumas partes mais iluminadas e outras regiões sombreadas. “Isto é possível por meio da distribuição de interruptores. A articulação de teclas de interruptor promove, sem dúvida, muito conforto e sofisticação porque cria ambientes extremamente intimistas ou puramente comerciais”, completa.
Algumas soluções econômicas podem ser utilizadas para evitar o excesso de gastos e, ao mesmo tempo, proporcionar uma iluminação agradável e bem elaborada.
Segundo Suelene, um bom estudo luminotécnico indica a melhor distribuição de seções e lâmpadas, além de identificar produtos de consumo energético reduzido. “Estas ferramentas vão oferecer benefícios financeiros aos usuários, sem deixar de lado o sucesso do projeto”, explica.
Suelene ainda dá dicas para o aperfeiçoamento da decoração por meio da iluminação. Para a sensação de ambientes mais amplos, por exemplo, é preciso utilizar luminárias com abertura de feixe de luz acima de 38º. Para a valorização de objetos de arte é indicado focá-los, sempre que possível, com luminárias direcionáveis, que resultarão no efeito visto em museus e exposições. Já as lâmpadas de baixo consumo energético são ideais para a área da piscina. Elas proporcionam mais segurança. No caso da luz nos jardins é necessário o uso de lâmpadas a vapor, de grande efeito, porém, com consumo energético elevado.

Deixe um comentário


Confira também