Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Hábito da leitura e o seu reflexo na aprendizagem e na saúde

Prática reflete no desenvolvimento de crianças, contribui na rotina familiar e ainda pode ser um método terapêutico ao reduzir níveis de estresse
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Foto: divulgação

Logo no início de 2020, a assistente comercial Vanessa Medeiros fez uma lista com todas as metas para o ano para trabalhar a disciplina e persistência, e dentre elas, estava a leitura. Com a pandemia da Covid-19 e o isolamento social, as metas se perderam, mas a retomada do hábito de ler auxiliou a passagem por esse período delicado, com mais tranquilidade. Até o final de junho, ela já tinha lido 13 livros.

“Eu comecei a ler nas inúmeras horas que começaram a surgir e que eu jurava que não tinha tempo para nada. Tudo é questão de prioridade, e as minhas estavam muito longe de ser as verdadeiras prioridades. Intensa que sou comecei a ler, peguei indicação de livros bons e mergulhei neles. Eu não lia um livro por ano e hoje ler é um dos meus momentos de lazer e eu amo”.

A professora de literatura do Colégio Integrado, Juliana Rebouças, explica que a leitura contribui, significativamente, não só para a formação intelectual como colabora com a formação pessoal. “Ler nos ajuda a entender o mundo, pode atuar como estratégia de inserção social, desenvolve a imaginação e o senso crítico, atua como importante recurso para o bom desenvolvimento das nossas habilidades de comunicação, colabora com o aumento do vocabulário e até mesmo funciona como medida terapêutica”, explica.

Um estudo realizado pela universidade de Sussex, no Reino Unido, afirma que ler por apenas seis minutos ajuda a diminuir cerca de 68% dos níveis desse estresse. “Levando em consideração a circunstância atual, a leitura pode ser uma aliada importante dos pais na rotina dos filhos e até mesmo de todos os membros da família. Além disso, pode ser uma ótima opção de diversão e também estreitar os laços”.

Benefícios da leitura para as crianças

Para Tatiana Santana, diretora pedagógica do Externato São José, compreender a importância dos livros e da leitura na educação infantil é uma atitude necessária não somente para os educadores e a instituição em si, mas também para os responsáveis pela criança, que também devem estar cientes dos benefícios que serão conquistados com essa prática. “Em casa, os pais e responsáveis precisam incluir momentos para leitura em família na rotina. Quando os adultos demonstram interesse nos livros, automaticamente as crianças se sentem mais atraídas para esse mundo”, enfatiza.

Para os pequenos, aprender a ler é o momento que marca o início de novas descobertas e muitas possibilidades que virão. Por isso, a pedagoga garante ser fundamental que a escola, em conjunto com a família, incentive o hábito nas crianças desde os primeiros anos escolares, a chamada pré-infância. “O contato com o livro, o ato de sentir o cheiro, identificar imagens, as texturas, interagir com as histórias, tudo isso auxilia no desenvolvimento psicomotor, cognitivo e intelectual das crianças, na forma como reagem ao novo, ao belo, ao amor, ao susto, à raiva, e a tantos outros sentimentos”, afirma Tatiana.

Ainda segundo a educadora, quando a leitura é incentivada desde a primeira infância há uma desenvoltura positiva na melhoria do vocabulário e da fala, assim como no rendimento escolar. Tatiana também reforça que esse contato com a leitura desde essa fase estimula crianças a se tornarem jovens e adultos mais criativos, amplia e valorização pela cultura, melhora a escrita, incentiva a imaginação a atingir outras potencialidades de criação, além de estimular atitudes éticas e morais. “Os grandes autores estão sempre trabalhando lições e morais por trás da beleza das obras, isso é um grande benefício para o aprendizado”, acrescenta.

Livro digital x Livro físico

Uma pesquisa feita pela Câmara Brasileira do Livro e pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros mostrou que o mercado editorial aumentou em 115% o faturamento com a compra de conteúdos digitais entre 2016 e 2019. Mesmo com esse crescimento do digital, os leitores ainda preferem a leitura do livro físico.

A leitura sempre esteve presente na vida da estudante Gabriela Café Monteiro, 17 anos. Desde a infância, foi incentivada pela família, inclusive pela sua avó, que é contadora de histórias. Ela perdeu as contas mas acredita que já leu mais de 500 livros, e no último ano, se rendeu ao formato digital.

“Eu ouvia falar muito bem do livro digital, e no ano passado me rendi a experiência. Acredito que tem gosto para ambos os formatos, tanto o digital quanto o físico. O livro físico causa uma sensação maravilhosa quando você folheia as páginas, sente o livro, guarda como lembrança. Porém, após você adquirir o livro digital, a leitura fica mais acessível, já que é possível baixar vários exemplares gratuitamente”, relata.

Dicas para se dedicar à leitura

Para quem não tem o hábito de leitura e deseja adquirir, a professora Juliana Rebouças dá algumas dicas para você iniciar esse processo:

– Defina um horário: pode iniciar com 15 minutos e depois você vai adequando esse tempo. Como a leitura é um hábito de relaxamento, geralmente as pessoas gostam de fazer antes de dormir. Mas cada um precisa definir o melhor momento do dia para ler;

– Esqueça os eletrônicos: você já pensou em trocar alguns minutos que você gasta em frente ao celular, tablets, televisão, computadores, para realizar uma boa leitura?

– Escolha temas que você goste: para quem vai começar a ler agora, é preciso iniciar por obras de sua preferência, e não adianta começar por obras difíceis e densas.