Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Dia da música: qual vinho combina com qual gênero musical

Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Foto: Divulgação

As harmonizações entre vinhos e comidas já são bem conhecidas por todos, então resolvemos aproveitar o dia da Música (1) para checar qual tipo melhor acompanharia cada gênero musical. Para Jessica Marinzeck, sommelière da Evino, a combinação cria uma experiência sensorial especial.

Já se imaginou curtindo um samba no final da tarde e ficou com vontade de abrir um vinho para acompanhar a playlist? Para te ajudar a curtir este dia da música com qualquer que seja o seu gênero favorito, a sommelière compartilha as melhores combinações para você experimentar.

Samba e vinhos nacionais

“Existem algumas premissas para harmonização, e uma delas é a harmonização por regionalidade”, afirma Jessica. “Se o samba orgulhosamente é um produto nacional reconhecido internacionalmente, o vinho brasileiro também tem conquistado público e críticos fora das terras tupiniquins”, completa.

Para acompanhar o ritmo, a sommelière indica o Bertolini Cadinho Blend 2014 , blend de Merlot, Touriga Nacional e Nebbiolo produzido no Rio Grande do Sul. Corpulento, elegante e com ótimo potencial gastronômico, Cadinho é um vinho que se diferencia com toque terroso e final persistente.

Ouça aqui a playlist Eu Sou o Samba.

Jazz e brancos com acidez

“O Jazz tem inúmeras vertentes e uma delas é a sua característica elétrica e vibrante, assim como os brancos com acidez elevada. Você não consegue passar imune por ambos, assim como a sua surpreendente complexidade”, diz Jessica.

Aposte no Gustav Riesling Trocken 2018 para uma experiência completa. Produzido na Alemanha, terra de alguns dos melhores vinhos brancos do mundo, este rótulo é fresco, com acidez equilibrada e mineralidade marcante.

Ouça aqui a playlist Best Jazz Of All Time.

Rock e tintos encorpados

“Para harmonizar com o rock e tudo que ele envolve – os graves do baixo, os solos de guitarra, as baterias enlouquecedoras e os vocalistas inesquecíveis – tem que ter peso”, diz Jessica. “Tintos feitos com Malbec, Primitivo e Cabernet Sauvignon podem ser ótimas apostas para se beber enquanto curte um bom álbum ou playlist de rock”, completa. A sommelière indica o Nero Reale Primitivo di Manduria DOC 2018 , vinho concentrado, marcante e com taninos redondos produzido em uma das mais famosas regiões italianas.

Ouça aqui a playlist Best Rock of All Time.

MPB e rosé

“O vinho rosé e a MPB têm uma coisa em comum: quando você ouve a música ou prova o rosé, o resultado final parece tão fácil, mas a execução de ambos não é assim tão trivial. E por serem assim, incríveis e perfeitos para qualquer momento, que MPB e vinho rosé tem tudo a ver”, diz Jessica. Para acompanhar as batidas da MPB, a sommelière indica o Les Calandières Terres du Midi Rosado 2019 , rótulo frutado, versátil e fresco no paladar.

Ouça aqui a playlist MPB Anos 90 .

Pop e linha Vibra!

“Os vinhos em lata da linha Vibra! são disruptivos e inovadores, combinando com faixas dos reis do pop Michael Jackson e Madonna, e também com novas referências como Britney Spears e Lady Gaga”, afirma Jessica. Produzida pela própria Evino, são quatro opções de lata: branco, tinto, rosé e espumante.

Ouça aqui a playlist Pop All Stars .

Clássica e Barolo

“Assim como a música clássica, o Barolo é um vinho complexo por si só. Não deguste ambos com pressa, é preciso paciência”, afirma Jessica. “Ligue o som, deixe o vinho na taça para abrir seus aromas. Estamos falando de experiências contemplativas e meditativas”, completa.

Ouça aqui a Playlist Para Sempre Música Clássica.