Volkswagen completa 59 anos de Brasil

Nesta semana, mais precisamente no dia 23, a Volkswagen do Brasil completa 59 anos de atividades no País, consolidando, a cada ano, sua posição de maior fabricante do setor automotivo brasileiro. Ao longo dessa trajetória de sucesso foram mais de 19 milhões de veículos produzidos, entre carros de passeio e comerciais leves. O volume de veículos exportados ultrapassa 2,8 milhões de unidades para mais de 60 países. A empresa também está entre as líderes de vendas, totalizando mais de 16 milhões de veículos comercializados no mercado nacional.

A trajetória da Volkswagen no Brasil é pautada por inovação e novas tecnologias: foi a primeira do setor no Brasil a lançar, em 2003, a tecnologia Total Flex. Além disso, também foi uma das pioneiras no desenvolvimento de veículos com índices reduzidos de consumo de combustível e emissões: Gol Ecomotion (lançado em 2010) e Polo BlueMotion, (lançado em 2009). Respectivamente, os modelos receberam o prêmio “Carro Verde do Ano 2011” e “Carro Verde do Ano 2012”, da revista Autoesporte.

“A história da Volkswagen no Brasil reflete o nosso compromisso com o desenvolvimento do País. Em seus 59 anos, a empresa, para orgulho de seus mais de 23 mil funcionários, se tornou a maior produtora e maior exportadora de veículos do Brasil, com uma linha de produtos que faz parte da vida e do coração dos brasileiros, como é o caso do Gol, que há 25 anos consecutivos é o carro mais vendido no País. O sucesso da Volkswagen só foi possível graças aos trabalhadores de nossas fábricas, rede de concessionárias e, acima de tudo, à preferência dos nossos clientes, que ao longo desses anos adquiriram quase 20 milhões de veículos, sempre confiando na marca Volkswagen”, declara o presidente da Volkswagen do Brasil, Thomas Schmall.

Recorde em Vendas

Com 22 modelos, a Volkswagen do Brasil, oferece ao mercado brasileiro a maior linha de produtos da atualidade, comercializados na maior rede de concessionárias no País, com mais de 600 pontos em todas as regiões. Em 59 anos de história, acumula a marca de 16 milhões de unidades vendidas no território nacional.

Em 2011, atingiu seu recorde de vendas com 698.400 unidades de automóveis de passeio e comerciais leves, superando o ano anterior (2010), quando havia registrado seu maior volume de vendas (697.400 unidades). Com isso, sua participação nas vendas totais da indústria alcançou 20,4%. Em relação a 2010, a marca apresentou crescimento de 0,2% e foi a única a registrar crescimento entre as quatro principais fabricantes de veículos do País.

Para continuar crescendo no País, o presidente do Grupo Volkswagen no mundo, Martin Winterkorn, anunciou em 2011 um novo ciclo de investimentos na operação brasileira da marca, totalizando R$ 8,7 milhões até 2016, destinados ao desenvolvimento de novos produtos e a ampliação da capacidade de produção no País.

Maior exportadora do setor automotivo

As exportações da Volkswagen do Brasil começaram em 1970, quando enviou o primeiro lote ao exterior: 13 unidades da Variant e 8 unidades da Kombi para países da América do Sul e México. No ano seguinte, foram 1.039 veículos exportados, volume que, em 1972, saltou para 7.204 unidades vendidas para 44 países da América Latina, África e Ásia.

Hoje, a Volkswagen é a líder nas do setor. A marca histórica ultrapassa as 2,8 milhões de unidades para mais de 60 países.

O Gol é o veículo da marca, fabricado no Brasil, mais vendido no mercado externo. Em 2011, alcançou o volume acumulado de um milhão de unidades exportadas. O modelo já foi fornecido para 66 países das Américas, África, Ásia e Europa. Atualmente, os principais mercados são Argentina e México. Desenvolvido e fabricado exclusivamente no Brasil, o Fox é o segundo modelo mais exportado, principalmente para a Argentina.

Entre os modelos exportados, uma curiosidade é o Passat, que até hoje é visto nas ruas do Iraque. Um total de 170 mil veículos foram exportados para o país, entre 1983 e 1988. Conhecidos por lá como “Brazili”, os veículos traziam no vidro traseiro os dizeres “Made in Brazil”.

História de sucesso

Um pequeno armazém alugado na rua do Manifesto, no bairro do Ipiranga, em São Paulo, em 23 de março de 1953, marcou o nascimento da Volkswagen do Brasil. Sua história porém, começa em em 1949, quando pesquisas realizadas no mercado latinoamericano apontaram o Brasil como local mais adequado para receber a primeira fábrica da marca fora da Alemanha.

Do armazém saíram os primeiros Fuscas com peças importadas da Alemanha, produzidos por 12 empregados. De 1953 a 1957 foram fabricados 2.820 unidades, sendo 2.268 unidades do Fusca com motor 1.2 l e 552 unidades da Kombi.

Os planos da Volkswagen do Brasil iniciaram em 1956, quando o governo brasileiro decidiu estabelecer condições para instalar no Brasil a indústria automobilística e fixou base para o rápido desenvolvimento do setor. Naquele ano, a Volkswagen decidiu então, construir sua primeira fábrica em São Bernardo do Campo. Em 2 de setembro de 1957, saiu da linha de produção da fábrica o primeiro veículo produzido pela marca no Brasil: a Kombi, com 50% dos seus componentes já fabricados aqui no País.

Logo no ano de início das operações, em 30 de outubro de 1953, o então Presidente da República, Getúlio Vargas, visitou as instalações da empresa. Os planos da empresa ganharam impulso em 1956, com o início da construção da primeira fábrica, na rodovia Anchieta, em São Bernardo do Campo (SP).

Na cerimônia de inauguração da fábrica, no dia 18 de novembro de 1959, Juscelino Kubitschek, Presidente da República na ocasião, desfilou pelas ruas internas da fábrica Anchieta, dentro de um Fusca conversível. Ele protagonizou a cena que seria identificada como uma espécie de “certidão de nascimento” da indústria automotiva brasileira.

Em julho de 1970, a Volkswagen atingia os primerios recordes de produção e vendas, alcançando o primeiro milhão de veículos. Em março de 1972, o Fusca completava um milhão de unidades vendidas.

Nos anos 80, com o parque automobilístico brasileiro consolidado, a Volkswagen iniciou a produção da família BX, que se tornaria o maior sucesso de vendas da indústria, dando origem aos modelos Gol, a station wagon Parati, a picape Saveiro, o Voyage e o Voyage versão Fox (exclusivo para exportação para os Estados Unidos).

No final da década, em 1987, na tentativa de reduzir custos e obter um melhor aproveitamento dos recursos disponíveis, a Volkswagen do Brasil e a Ford juntaram-se e fundaram a Autolatina. Em sete anos, a Autolatina colocou no mercado vários modelos, como Apolo, Logus e Pointer, da marca Volkswagen, além do Verona, Royale e Versailles, da Ford.

Com a abertura da economia em 1994 e o aquecimento do mercado interno, as duas marcas decidiram separar as operações, pois assim atenderiam melhor seus clientes e seriam mais competitivas.

Fusca e Kombi

O Fusca é um dos modelos Volkswagen de maior sucesso e mais carismáticos da indústria automobilística no Brasil. Somando mais de 3 milhões de unidades produzidas no País, o modelo conquistou a preferência do consumidor brasileiro e ganhou até uma data comemorativa: 20 de janeiro, instituído o Dia Nacional do Fusca, veículo que até hoje possui milhares de admiradores e colecionadores.

Um fato marcante na história do Fusca no Brasil foi a retomada de produção do modelo em 1993, por sugestão do então Presidente da República, Itamar Franco, uma vez o modelo tinha sido descontinuado sete anos antes, em 1986. Em 23 de agosto de 1993, Itamar reinaugurou a linha do Fusca na fábrica Anchieta, a bordo de um conversível azul-claro, repetindo a clássica cena de Juscelino Kubitschek, em 1959, durante a inauguração da mesma fábrica.

Em produção há 55 anos no Brasil, a Kombi é um dos maiores casos de sucesso e longevidade da indústria automotiva mundial. Nenhum outro utilitário alia tanta versatilidade no transporte de cargas e passageiros com baixo custo de manutenção. Atualmente, disponível no mercado brasileiro nas versões standard, furgão, lotação e escolar, a Kombi atingiu, em 2011, o marco de 1,5 milhão de unidades fabricadas no Brasil.

Desenvolvimento de novos produtos

A Volkswagen foi a primeira montadora brasileira a inaugurar, em 1965, um centro de desenvolvimento, pesquisa e design. O primeiro veículo totalmente projetado e desenvolvido pela empresa no País foi a Brasília, lançada em 1973.

A empresa também foi pioneira nas primeiras instalações de crash test da América Latina, em 1966. Atualmente, a Volkswagen do Brasil mantém, junto à fábrica de Taubaté, um dos mais modernos campos de provas da marca no mundo, especializado em testes de durabilidade de veículos.

O Centro de Realidade Virtual (CVR), inaugurado na fábrica de São Bernardo do Campo em 2008, trouxe mais rapidez ao processo de desenvolvimento de produtos, com a geração de modelos 3D em tamanho real projetados em um telão de alta definição. A tecnologia acelera o processo de design de novos veículos em todos os seus detalhes.

Inovação e tecnologias

Inovação e novas tecnologias são fatores fundamentais para a trajetória de sucesso da empresa no Brasil. A Volkswagen foi a primeira do setor no País a lançar, em 2003, a tecnologia Total Flex, que permite o uso de etanol, um combustível renovável, e/ou gasolina em qualquer proporção. A tecnologia marcou uma mudança de paradigma na indústria automobilística brasileira.

Entre outras inovações, os modelos Volkswagen foram os primeiros no Brasil equipados de série com injeção eletrônica, introduzida no Gol GTi 2.0 (1988) e freios ABS, no Novo Santana (1992).

A empresa também é uma das pioneiras no desenvolvimento de veículos com índices reduzidos de consumo de combustível e emissões. O Polo BlueMotion, foi desenvolvido com o objetivo de reduzir em até 15% o consumo de combustível e, consequentemente, as emissões de gases poluentes e Gol EcoMotion, com redução da ordem de 10%.

Entre as tecnologias de útlima geração que equipam os modelos Volkswagen no mundo e que atualmente já estão disponíveis no Brasil destacam-se o Park Assist, que auxilia no estacionamento em vagas paralelas e transversais, o ACC (Adaptive Cruise Control) auxilia no controle de velocidade e distância do veículo à frente, e o detector de fadiga, equipamento detecta a perda de concentração do motorista e o avisa através de um sinal auditivo com cinco segundos de duração, presentes nos modelos Tiguan e Passat.

Ao longo da trajetória no Brasil, a Volkswagen sempre investiu em superar as expectativas dos clientes com produtos inovadores e tecnologias de ponta. Em 1962, a marca já trazia ao mercado brasileiro um veículo ousado para época: o Karmann-Ghia, lançado em parceria com a empresa alemã de mesmo nome. O esportivo, mundialmente conhecido e admirado, tinha padrão de acabamento superior para transportar duas pessoas.

Com o lançamento Passat, em 1974, a Volkswagen deu um salto tecnológico ao apresentar um veículo com motor frontal refrigerado a água e suspensão com molas helicoidais.

Em 1980, o Gol Geração I, com motor 1.3, inaugurou uma nova fase na indústria automotiva brasileira. Nascia uma nova família de veículos, com a chegada ao mercado nos anos seguintes dos modelos Voyage (1981), Saveiro (1982) e Parati (1983).

Com o Gol GTi 2.0, a Volkswagen lançou, em 1988, o primeiro carro nacional com injeção eletrônica de série, uma nova tecnologia que trouxe melhor desempenho, com menor consumo de combustível e emissão de gases poluentes.

Na década de 1980, já posicionada no segmento de entrada e de carros médios, a Volkswagen passa a atuar também no segmento de luxo, com o lançamento do Santana, em 1984, seguido pela Quantum, em 1985.

Projetado e desenvolvido por engenheiros e desenhistas brasileiros, o Novo Santana, lançado em 1991, tornou-se o primeiro veículo nacional a oferecer freios ABS, em 1992, e também foi pioneiro entre os veículos nacionais na utilização de catalisador.

Deixe um comentário


Confira também