Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Sommelier desmistifica vinho e dá dicas de como apreciar bebida

Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Muitos pensam que o vinho é uma bebida sofisticada e só pode ser saboreada em momentos específicos. O sommelier Daniel de Moura, responsável pela escolha dos vinhos no restaurante Rosas Cozinha e Sentimento, quebra este paradigma e explica melhor sobre esse líquido de tonalidades roxas, rosas e peroladas.

Segundo Daniel a bebida é considerada sofisticada no Brasil. Isso ocorre porque o consumo de bons vinhos é recente no nosso País se comparado com outros ao redor do mundo. “Na Europa e regiões dos Estados Unidos, o consumo de uma taça de vinho durante o almoço e jantar é tão natural quanto o nosso arroz e feijão”, revela.

De acordo com Moura, o vinho pode receber dois tipos de classificação. Na primeira, se separa os vinhos entre brancos e tintos. Em uma segunda classificação, pode-se separá-los entre tintos, brancos, rosés, espumantes e fortificados. Os brancos são feitos com uvas verdes ou com a polpa branca de algumas uvas tintas, os tintos com uvas tintas, e os rosés com a mistura do vinho tinto com o branco. E temos os vinhos fortificados, que têm a fermentação alcoólica interrompida pela adição de aguardente, que fará o vinho ficar mais ou menos doce.

Como consumir?

Uma dúvida recorrente é saber se existe um vinho para cada alimento. O sommelier explica que não há um tipo específico da bebida para acompanhar cada um e sim a harmonização entre comidas e bebidas. Qualquer tipo de cocção, ingrediente ou tempero pode influenciar no momento dessa harmonização. Em uma regra geral, pode-se afirmar que peixes harmonizam bem com vinhos brancos; aves com brancos, rosés ou tintos leves; e carnes vermelhas com vinhos tintos mais intensos, como o Cabernet Sauvignon ou o Malbec.

Daniel observa que a harmonização de alimentos e vinhos pode ser complexa e necessita de estudo e experiência para ser colocada em prática com excelência. “No caso de restaurantes que servem vinho ou de bons mercados e bistrôs, a presença de um sommelier ou especialista na área pode auxiliar a todos na hora da escolha de um vinho que harmonize com seu prato”, orienta.

Questionado se é possível tomar vinho com sobremesa de acompanhamento, o sommelier recomenda como harmonização um espumante brut ou mesmo ou demi-sec para quem aprecia as bebidas mais suaves. “A outra recomendação com sobremesas seria um vinho fortificado, por ter um teor alcoólico e grau de doçura mais elevado que os vinhos convencionais”, aconselha Daniel.

Que tal ter uma experiência gratificante e deliciosa como essa hoje mesmo?