Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Lei da Pureza da Cerveja completa 500 anos

Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Biergarten  da Augustiner Bräu, em Munich, a mais antiga cervejaria alemã

Neste ano, a Alemanha comemora, em 23 de abril, os 500 anos da Lei da Pureza que norteia a produção de cervejas. Nesse aspecto, ressalta-se que a bebida alemã é conhecida mundialmente por sua excelente qualidade e esta diretriz, a mais antiga sobre alimentos ainda vigente em todo o mundo.  Em alemão “Reinheitsgebot”, a normativa determina que sua composição deva ter somente três ingredientes: água, cevada e lúpulo. No documento original, a levedura não estava presente, pois, em 1516, ainda não existia este conhecimento. Inicialmente, esta determinação vigorava apenas no Estado da Baviera – só em 1906 foi acatada em todo o país.

Para estudiosos, esta lei foi concebida com dois propósitos. Primeiro, para garantir a qualidade do fermentado. Em segundo, para diminuir o preço do pão, que, na época, era um alimento básico para a população e se fosse utilizado trigo na fórmula da bebida, seu preço se elevaria e o grão se tornaria escasso.

Paralelamente à instituição da lei tiveram início os testes de qualidade da cerveja. No entanto, os métodos usados nos séculos 15 e 16 não podem ser chamados de científicos. A bebida era despejada em cima de um banco, no qual os provadores oficiais (com suas tradicionais calças de couro) sentavam-se por três horas. Após esse tempo era permitido que levantassem e, se o couro grudasse no banco, era sinal de que a cerveja tinha qualidade. No entanto, se isso não ocorresse o cervejeiro podia até ser penalizado.

Stuttgart Beer Festival