Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Ian Baiocchi inaugura Alata Sorvetes e propõe nova experiência em sobremesas, em Goiânia

Sorveteria ‘pandemiologicamente’ correta traz sorvetes à base da castanha de baru e sabores do cerrado em proposta inédita. Espaço reúne contemporaneidade e arte urbana ao ar livre
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Foto: Divulgação

O universo do sorvete, sob uma nova ótica, mistura-se com toques tipicamente regionais do cerrado e a atmosfera contemporânea da cidade. Esses são os ingredientes que compõem a essência do Alata Sorvetes, nova sorveteria com assinatura do chef Ian Baiocchi que abre suas portas nesta sexta-feira, 21/08, em Gioânia. O projeto, com conceito inédito na capital, traz o sorvete como protagonista e propõe uma nova experiência acerca da sobremesa, com sabores naturais, combinações inspiradoras e a ideia de um espaço físico ‘pandemiologicamente’ correto.

Foto: Divulgação

Ian traz para a capital goiana uma referência espanhola com pitadas da cozinha regional que sempre fez parte do DNA de suas criações. O nome do projeto, inclusive, presta uma homenagem à castanha de baru, cujo nome científico é Dipteryx Alata. A técnica de produção do sorvete à base da castanha de baru faz uma releitura do gelato italiano batido em uma máquina Carpigiani Sed, da década 1960. A partir de seis famílias diferentes da castanha, previamente descascadas, a calda do sorvete é produzida artesanalmente em um processo que leva de 8 a 12 horas; em seguida, são adicionados os ingredientes e batidos na Carpigiani, resultando em um sorvete com textura e beleza inigualáveis, aos moldes da tradicional sobremesa feita na Itália dos anos 60, mas com um toque de tradição goiana. E há ainda outra versão disponível, que faz referência aos clássicos dos fast foods mundiais com muita cremosidade.

“A ideia é proporcionar um novo olhar sobre o sorvete. Mostrar o que há por trás, revelar que o produto usado pode ser bom e livre das pregas da indústria. Trabalhamos para que o cliente sinta o sabor puro, original, teste e ateste o nosso conceito, o produto de origem, experimente o orgânico, o natural”, afirma Ian. Entre as iguarias, além da variedade de sorvetes, inclusive com opções veganas e sem lactose, e sabores como banana marmelo com burutella e castanha do pará, espuma de cappuccino, milho com pasta de pistache e macadâmia crocante, coco e gemada, além de flor de sal e caramelo, há também seis sabores distintos de casquinhas, todas frescas e produzidas na hora, assim como linhas de cookies, brownies, crème brûlée, brigadeiro, caramelo e toppings para incrementar. Os produtos ainda são envolvidos por uma identidade visual, desenvolvida pela Plau Design, que traduz a essência criativa e afetiva do Alata em embalagens únicas.

Goianidade contemporânea 

O projeto arquitetônico, assinado por Diego Mendonça, investe em um conceito contemporâneo e descolado, com a estrutura a partir de containers sobrepostos, e ousa ao apresentar a fábrica de sorvetes no segundo andar envolta por um pano de vidro que convida o público a assistir o processo de feitura das sobremesas. A proposta é de uma loja ‘pandemiologicamente’ correta, a céu aberto, com paisagismo predominante, muito frescor e todos os cuidados que o cenário atual requer.  “A ideia era criar um espaço sem barreiras, de fácil acesso e livre circulação, com um balcão acolhedor que servisse de guia para o ir e vir, que remetesse àquele banquinho de praça que a gente só encontra em algumas cidadezinhas do interior”, afirma o arquiteto.

Soma-se a essa atmosfera um mural assinado pelos ilustradores do Bicicleta Sem Freio, Douglas Pereira e Renato Reno, que mescla elementos e referências da fauna e flora do cerrado. “Desenhamos duas personagens interagindo com o universo do sorvete e o cerrado. Os pássaros desenhados são típicos da nossa região, como a Seriema, o Canário da Terra e o João de Barro, já entre os frutos estão em destaque o pequi, o araticum, a manga, o cacau, por exemplo, e o baru, sendo oferecido por mãos ‘generosas’”, afirma a dupla. O desenho tem 138 metros quadrados, sendo 23 metros de largura e 6 de altura, e é um dos maiores murais de arte urbana em estabelecimento privado de todo o Centro-Oeste.

A loja física, localizada na Alameda Dom Emanuel Gomes, no Setor Marista, abre suas portas com funcionamento das 10h às 22h, e conta ainda com as opções de delivery via link no perfil do Instagram, @alatasorvetes, e pelo IFood, assim como retirada no local. “Almejamos que o cliente, assim como nós, sinta a nuvem e o céu que cada sabor pode representar no seu paladar, sabendo que tudo aquilo ali tem uma história para contar”, conjectura Ian, sobre o projeto.

Serviço: 

Inauguração Alata Sorvetes 

Quando: 21/08 (sexta-feira)

Onde: Alameda Dom Emanuel Gomes, nº 16, (ao lado da Urban Arts) – Setor Marista

Horário de funcionamento: 10h às 22h