Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Governador aprova projeto para construção do Hugo II

Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Foto: site (marconiperillo.com)
O governador Marconi Perillo se reuniu na tarde de hoje, no 10º andar do Palácio Pedro Ludovico Teixeira, com o secretário de Saúde Antônio Faleiros, presidente da Agetop, Jayme Rincón, e representantes do consórcio responsável pelo projeto dos hospitais Hugo II e da Mulher. O governador, junto com sua equipe, aprovou o projeto de construção do Hugo II, que deverá ter o mesmo porte do Hugo da região Sul de Goiânia, com 250 leitos. A novidade do Hugo II é o tratamento para vítimas de queimaduras. Segundo Faleiros, que concedeu coletiva à imprensa na saída da reunião, a área física será maior que a do Hugo atual. Ainda não foram divulgados valores dos projetos, já que um novo estudo deverá ser feito e apresentado ao governador em uma semana.
Até o momento, apenas o projeto do Hugo II foi aprovado, pois o governador pediu que o consórcio avaliasse condições econômicas mais viáveis para a construção do Hospital da Mulher e apresentasse mais uma opção. A decisão está entre demolir o Hospital Materno Infantil e construir no local o Hospital da Mulher, ou realizar reforma na unidade e transformá-la em Hospital da Mulher e Hospital da Criança, conforme explicou Faleiros.
“Em relação ao Hospital da Mulher, ainda não chegamos a um consenso sobre a construção; se faremos a reforma do Materno Infantil e construiremos o Hospital da Mulher, cujo projeto foi apresentado hoje, ou se vamos demolir o hospital, já que os custos são muito altos para fazer a reforma de um prédio tão velho quanto aquele, ou fazer os dois juntos, Hospital da Criança e Hospital da Mulher onde fica o atual Materno Infantil. O governador pediu mais uma semana de prazo para que possamos fazer um estudo econômico e descobrir qual projeto é mais viável”, disse.
Faleiros disse ainda que a vontade é a de é que as obras comecem ainda este ano. Em relação ao Hugo II, que já teve projeto aprovado, o objetivo é que o processo licitatório seja aberto em fevereiro. “Já vamos dar andamento ao projeto do Hugo II, mas vamos primeiro fazer um comparativo de preços entre o que pode ser executado pelo governo diretamente e o que pode ser executado pelo consórcio, para sabermos se os preços apresentados estão de acordo com o queremos”, esclareceu Faleiros.
O consórcio responsável por apresentar o projeto foi escolhido por meio de chamamento público. Após aprovados os projetos dos dois hospitais, o Estado fará a licitação e o consórcio que apresentou o projeto, ou outro que se interessar pelo projeto, poderá executar a obra.
O representante do consórcio, que atua na NVE Saúde e engloba quatro empresas, Cláudio Taboada, disse que, aprovado o projeto e licitada a obra, todos os equipamentos também caberão ao consórcio. Ele acredita que os hospitais fiquem prontos em um ano e meio, mas há possibilidade de que partes possam entrar em funcionamento antes de a obra estar completamente pronta.
Gabinete de Imprensa do Governador