Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Carta aberta aos pais

Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Por Augusto Cury
  • (Foto: Divulgação)
Caros pais,
Como tenho comentado no Supremo Tribunal Federal (STF), no Congresso Nacional e para plateias de magistrados, médicos, psicólogos, professores e presidentes de empresas, estamos assistindo ao assassinato coletivo da infância e da juventude em todas as nações modernas. Temos saturado nossos filhos e alunos de atividades, jogos, cursos, computadores, internet, videogames, celulares e horas a fio de televisão. É uma geração que não tem tempo para brincar, se aventurar, se interiorizar e muito menos para lidar com frustrações e elaborar suas experiências.
Sem uma infância rica, o “eu” das crianças e dos jovens, que representa a consciência crítica e a capacidade de escolha, não desenvolverá suas habilidades para torná-los autores da própria história, e o processo de formação da personalidade desenvolverá ansiedade, fobias, timidez, intolerância, insegurança, consumismo, conformismo, incapacidade de filtrar estímulos estressantes. Depressão, que costumava ser algo raro entre crianças e jovens, hoje é frequente. Todos deveríamos estar preocupados com o caminho que a juventude mundial está trilhando.
Abarrotamos a memória de nossos filhos e alunos com milhões de informações de Matemática, Química, Biologia, competências técnicas e outras matérias, para que eles conheçam o mundo exterior e atuem nele. E isso é, sem dúvida, muito importante. Mas são as “funções não cognitivas” que determinarão o sucesso profissional, social e emocional dos nossos filhos e alunos, bem como o futuro de um país e da própria espécie humana tão vitimada pela violência, preconceito e competição predatória.
Todavia, onde estão as escolas que ensinam seus alunos a proteger a emoção e a gerenciar a ansiedade? Onde estão as escolas que os ensinam a ter autocontrole e a filtrar estímulos estressantes que eles vivenciam diariamente dentro e fora da própria escola? Há, sim, escolas ensinando essas importantíssimas habilidades socioemocionais: as Escolas Menthes, que são, creio eu, as primeiras escolas de Inteligência Emocional e qualidade de vida do Brasil e do mundo. Nas Escolas Menthes se aprende a excelente linguagem da mente, o Coaching Emocional. Além dos cursos kids e teens, há também Coaching de Qualidade de Vida, de Gestão de Relacionamentos e de Excelência Profissional para adultos. Os cursos são ministrados por psicólogos em nossas dependências.
Nas Escolas Menthes, crianças e adolescentes têm aulas superagradáveis, com dinâmicas de grupo e um rico material. Eles vivenciam o Coaching Emocional (treinamento) não para ser adultos mais cedo, mas para resgatar sua infância e juventude, enriquecer habilidades para pensar, se reinventar e prevenir transtornos psíquicos.
Faça um pequeno teste sobre o esgotamento cerebral de seus filhos e alunos. Pergunte se eles acordam cansados, se têm dores de cabeça, dores musculares, se sofrem por antecipação, se têm dificuldade para dormir, se são pouco tolerantes com pessoas lentas, se têm a mente agitada e déficit de memória.
Esses sintomas revelam que crianças e adolescentes estão desenvolvendo uma nova síndrome, a Síndrome do Pensamento Acelerado (SPA). Não é uma ansiedade, como o Transtorno de Ansiedade Generalizada, Transtorno Pós-Traumático, Transtorno Obsessivo-Compulsivo, mas uma ansiedade causada pela hiperestimulação dos fenômenos que constroem pensamentos. Várias são as causas dessa síndrome coletiva. Entre elas, o excesso de atividades, o uso intenso de celulares e internet, os jogos de videogames sem limites e, em destaque, o excesso de informações.
Para apoiar o processo educacional dos pais e das escolas dos mais diversos países, eu, Augusto Cury, psiquiatra, pesquisador e escritor, desenvolvi a metodologia dos cursos oferecidos pelas Escolas Menthes, que trabalha sistematicamente e de maneira inteligente e agradável todas as funções socioemocionais comentadas.
Nas Escolas Menthes, quando ensinamos as funções “não cognitivas”, como proteger a emoção, colocar-se no lugar do outro e pensar antes de reagir, melhoram-se muito as funções cognitivas, como memória, raciocínio, concentração. Mas por quê? Porque quando melhoramos a autoestima e fortalecemos o “eu” como gestor da mente humana, os alunos se concentram e aprendem mais, desenvolvem o debate de ideias, a interpretação de textos.
Por isso, gostaria de me dirigir diretamente aos pais: se o que eu lhes disse faz sentido, se vocês enxergam que as habilidades socioemocionais são vitais para seus filhos, que é muito melhor prevenir do que tratar os transtornos psíquicos, procurem uma Escola Menthes. Nossos filhos merecem a oportunidade de trabalhar a capacidade de proteger a emoção, gerenciar a ansiedade, pensar antes de reagir, desenvolver empatia e outras características. Nós, das Escolas Menthes, queremos fazer nossa parte para que o ser humano seja, tanto quanto possível, autor da sua história e ajude a construir uma sociedade mais justa, tranquila, lúcida, criativa e altruísta.
Bem-vindos à educação do século XXI. Bem-vindos à educação que contempla a inteligência emocional.
Matéria publicada na 33ª edição da Revista Zelo