No caminho

O Caminho de Santiago de Compostela é uma ancestral rota de peregrinação que se estende por toda a Península Ibérica até a cidade de Santiago de Compostela, no extremo oeste do Reino da Espanha, aonde se acredita estar o túmulo do apóstolo homônimo.

Desde o século IX, homens e mulheres partem de suas cidades tendo como destino aquele lugar sagrado, movimento este que teve seu auge nos séculos XII e XIII com a passagem de centenas de milhares de viajantes. Hoje em dia, pessoas de todas as idades imitam os passos medievais e percorrem este antigo traçado; uns por espírito religioso-cristão, outros por misticismo, busca interior ou apenas como uma grande aventura.
A Rota de Santiago é o mais extraordinário trajeto monumental de todo Ocidente. São centenas de construções civis, militares e religiosas acrescentadas através dos séculos, que constituem-se muitas delas exemplos maiores de seus estilos arquitetônicos (românico, gótico, barroco, plateresco e neoclássico). Assim, em 1993 o Caminho de Santiago de Compostela foi declarado Patrimônio da Humanidade por Decreto da Unesco.
Embora não haja um ponto de partida definido (muitos europeus saem da porta de sua casa, seja ela onde for), a maioria dos modernos andarilhos acabam escolhendo um dos pontos cercanos à fronteira francesa, no caso, Saint-Jean-Pied-de-Port, Roncesvalles ou Somport (vide mapa).
No Brasil
Há em média 20.000 pessoas por ano viajando pelo norte da Espanha nas três maneiras reconhecidas como formas autênticas de peregrinação: a pé, de bicicleta ou a cavalo.
A popularização do Caminho no Brasil deve-se, em primeiro lugar, ao escritor Paulo Coelho, que em seu livro “O Diário de Um Mago”, expôs sua peregrinação pelos campos espanhóis.

Outro fator decisivo foi a criação, em 1995, da Associação de Confrades Amigos do Caminho de Santiago de Compostela – Brasil (11 – 6950 5845), com sede em São Paulo, a primeira entidade do gênero na América Latina. Só em 1999, foram mandados à Espanha cerca de 1.370 peregrinos brasileiros, número este, bem superior aos anos anteriores.

Deixe um comentário


Confira também