Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Novo Restaurante Chicko, em Campinas, tem projeto assinado pelo Superlimão

Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Uma pegada diferente, moderna, com alimentos naturais e processos artesanais. Fotos: Maíra Acayaba

Chicko surgiu a partir da união entre amigos com um objetivo em comum, o de trazer a gastronomia portuguesa para o Brasil. O restaurante localizado em Leira – Portugal, Dom Duarte (desde 1984) serviu de inspiração para os amigos, que decidiram trazer o melhor frango suculento feito na brasa para o Brasil, ou melhor, para Campinas (SP). Uma pegada diferente, moderna, com alimentos naturais e processos artesanais. Assim que nasceu o Chicko, um restaurante fast casual, feito para celebrar a união de pessoas, de momentos, e é claro, de sabores.

Em uma casa antiga no bairro Cambuí, coração da cidade, foi então construído o primeiro restaurante. A partir disso, para a concepção do projeto Superlimão, foi de grande importância a inspiração na tradição portuguesa, com a utilização de azulejos com rendas e bordados numa releitura moderna do revestimento.

Logo na fachada vê-se um grande volume sobrepondo a casa já existente, o que impacta quem está passando pela a rua. Esse elemento possui uma leve transparência e é um conjunto de grandes telas vazadas bordadas à mão, que remete a grandes azulejos e bordados portugueses em diferentes tons de azuis. Com a união dessas telas vazadas ocorre um jogo de sombras causadas pelos painéis sobre a calçada. Aberturas bem marcadas, com nichos na diagonal, avançam pela fachada trazendo mais movimento para a casa de esquina e uma integração dos ambientes interno e externo.

Uma grande faixa amarela direciona os clientes para o seu ponto principal
Ao entrar no restaurante, uma grande faixa amarela direciona os clientes para o seu ponto principal, a Brasa, onde tudo acontece. A claraboia que acompanha o caimento do telhado permite que a iluminação natural entre e traga um ponto focal de luz diretamente para a Brasa.
Outro espaço importante é o caixa/bar. Logo na entrada, é marcado por um grande nicho azul, revestido com azulejos desenhados e produzidos especialmente para o projeto, em tons de azul e branco, que pincelam o ambiente como uma brincadeira de bagunçar e intercalar os azulejos entre si, valorizando ainda mais o projeto e remetendo à sala da Casa da Musica da cidade do Porto – Portugal.
Tanto o salão do térreo quanto o superior têm paredes descascadas, retratando a história da casa antiga e o barrado de 1m de altura inspirado nas casas alentejanas de Portugal. Em alguns pontos, as paredes contam com pinturas silkadas em forma de renda / bordado português. Os mobiliários interno e externo foram desenhados pensando na flexibilidade de layouts.