Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Risoto de camarão com abobrinha italiana e pimenta dedo-de-moça

Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Prazer solitário

É possível comer bem quando se está desacompanhado, sem ter de apelar para os fast-foods

Um dos primeiros sentimentos que acometem os solteiros diante dos inevitáveis horários de refeição, além da fome, é a preguiça.

Olhar para a cozinha e imaginar-se preparando uma refeição solitária produz em muita gente um enorme desânimo. Preguiça de cozinhar para si mesmo. Preguiça de comer sozinho. E preguiça de arrumar tudo depois, sem ajuda…

Dá para entender. Primeiro porque comer é um ato que se engrandece quando ocorre socialmente – seja fora ou dentro de casa, é sempre mais divertido e completo quando se tem companhia. Razão pela qual os que moram sozinhos preferem muitas vezes ir a locais públicos, onde, mesmo sem companhia, estarão rodeados de outras pessoas. Em segundo lugar, cozinhar apenas para si mesmo muitas vezes parece um ato trabalhoso e nada prático – muito esforço para pouco resultado.

Acaba que muitas pessoas optam por duas soluções extremas: comer diariamente fora, em qualquer lugar, apenas para resolver o problema da fome; ou comer em casa com igual desatenção, apenas des-congelando um prato industrial, pedindo uma pizza ou, no melhor estilo de engorda americano, abocanhando uns salgadinhos gordurosos em frente à TV.

Uma pena! Porque nada disso é necessário. Claro, quem não possui ne-nhuma noção de cozinha – e nem quer aprender – terá de se virar mesmo com comidas prontas. Mas um mínimo de vontade de se entreter com a culinária – que, afinal, produz prazer sensorial em absolutamente 99% das pessoas – pode fazer com que as refeições do solteiro sejam uma sucessão de momentos divertidos.

A primeira dica valiosa – que deve valer, aliás, para muita coisa na vida – é fugir da rotina. Encher-se de possibilidades. Numa família grande, a pressão da vida prática leva à imposição de uma rotina maior. O cardápio sempre parecido a cada dia da semana, um suprimento básico de pratos para crianças, tudo organizado a partir de compras mensais no supermercado.

Geladeira

Congelados? Micro-ondas? É verdade, a solução de comprar e fazer no dia a dia seus alimentos é muito mais atraente. Mas não há nada de dramático em comer, semanas depois, mais um pouquinho da­quele ensopado que você fez para os amigos durante horas e que parece ter ficado bom… Pode não ser tão gostoso quanto o feito no dia, mas sua própria comida, apreciada descontraidamente em sua casa, será sempre muito melhor do que um fast-food engolido na rua ou mesmo um prato industrial deglutido sem vontade em frente à TV.

Ingredientes:

125g de arroz arbóreo.

3 colheres de sopa de azeite extravirgem.

150g de camarão médio, sem casca, limpo.

1 colher de sopa de alcaparras.

1/2 xícara de abobrinha italiana passada em ralo grosso.

300ml de caldo de legumes.

200ml de vinho branco seco.

30g de cebola picada.

20g de alho picado.

1 pimenta dedo-de-moça fatiada.

60g de tomate sem semente, picado.

20g de manteiga gelada.

40g de queijo parmesão ralado.

1 colher sopa de salsinha picada.

1 colher de chá de cebolinha fatiada.

Sal e pimenta do reino à gosto.

Modo de preparo:

Numa frigideira grande, antiaderente, coloque o azeite, doure a cebola, o alho e em seguida o arroz arbóreo.

Acrescente o vinho branco mexendo sempre.

Aos poucos coloque o caldo de legumes e depois o tomate, as alcaparras e a abobrinha italiana.

Cozinhar em fogo baixo, mexendo bem e “regando” com o caldo de legumes.

Acrescente os camarões, a pimenta dedo-de-moça, o sal e a pimenta do reino.

Continue mexendo bem.

Para finalizar, coloque a manteiga, o parmesão.

Em seguida a salsinha e a cebolinha.

Servir de imediato com uma taça de vinho Chardonnay.Bom apetite!!!