Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Goiânia recebe Mostra Internacional de Cinema Fantástico – CRASH

Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

O curta-metragem francês "Belle à Croquer", de Alex Courtière, será um dos trabalhos exibidos na 10ª CRASH (Foto: Divulgação)

Entre os dias 12 e 16 de dezembro, o Cine Cultura, tradicional ponto goianiense conhecido pela exibição de filmes cult, recebe a Mostra Internacional de Cinema Fantástico – CRASH. Serão 74 filmes vindos de 21 países, além de lançamentos de livros, debates e oficinas gratuitas com a presença dos mais icônicos e renomados diretores, cinéfilos e especialistas em cinema de gênero do Brasil.

O mais antigo festival de cinema produzido em Goiás, em voga desde a década de 1990, foi até 2017 chamado de TRASH, uma referência às produções caseiras e de baixo orçamento produzidas nas décadas de 1980 e 1990, geralmente em fitas VHS. Hoje, o termo não traduz mais a realidade. A palavra trash está mais ligada ao gênero (terror, sobretudo) do que à qualidade.

Essa “ruptura”, entretanto, levou três edições consecutivas para acontecer. Somente agora, na décima, que houve a mudança com o nome CRASH – uma representação do amadurecimento da mostra e da consolidação de toda uma história pioneira em Goiás.

A arte como um campo de luta e resistência

O curta-metragem "Carne", de Mariana Jaspe, também está presente na programação da mostra (Foto: Divulgação)

Além de oferecer uma programação vasta e gratuita à população, que inclui filmes, oficinas e debates, dentre outras atividades, a 10ª CRASH assume grande importância ao trazer à tona a reflexão acerca do papel do cinema de gênero na construção ou desconstrução de ideologias.

Com este viés em mente, Márcia Deretti e Márcio Jr. reuniram os mais renomados especialistas para compor a curadoria do festival: Carlos Primati e Beatriz Saldanha (especialistas em cinema de gênero), o cineasta udigrúdi (cinema marginal ou de invenção) Gurcius Gwedner e o cinéfilo André LDC. Foram selecionados 74 filmes (sendo dez destes de longa-metragem) de mais de 20 países, “que divertem ao mesmo tempo que escarafucham nossas mais terríveis mazelas contemporâneas”.

“Fascismo, tortura, homofobia, regimes ditatoriais, repressão sexual, autoritarismo e violência são dissecados através das lentes do terror, da ficção científica e da fantasia”, dizem Deretti e Márcio Jr. O evento também traz, além dos filmes, mesas de debates, oficinas e lançamentos de livro. 

Este ano, serão três oficinas: “Efeitos Especiais em Maquiagem” com Rodrigo Aragão, a se realizar no dia 15 de dezembro, no Centro Cultural Marieta Telles Machado; “Direção de Atores para Filmes de Terror” com Paulo Biscaia Filho, a se realizar nos dias 14 e 15 de dezembro, no Centro Cultural Martim Cererê; e “Horror Britânico: Uma Orgia de Sangue e Pavor” com Carlos Primati, a se realizar nos dias 13 e 14 de dezembro, na Escola Goiana de Desenho Animado.

Os filmes exibidos na mostra possuem classificação indicativa de 18 anos. Confira todos os títulos na programação completa.