Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Espaço nobre para as mídias digitais

Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

 RioContentMarket reuniu como palestrantes e debatedores nomes de extrema relevância para o setor como o produtor Steve Golin, vencedor do Oscar de melhor filme por “Spotlight” e também responsável pelas séries “Mr. Robot”, “True Detective”, “The Knick” e do longa “O Regresso” 

Grandes nomes da indústria do audiovisual e representantes de mais de mil produtoras independentes participaram da sexta edição do RioContentMarket, evento internacional realizado em março no Hotel Windsor, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. Participaram produtores, diretores, roteiristas e executivos de séries como Homeland, Jessica Jones (NetFlix) e True Detectiv (HBO) e dos filmes Spotlight e O Regresso, vencedores do oscar deste ano. Os diretores Guel Arraes e Cacá Diegues, além da atriz Mariana Ximenez são alguns dos brasileiros que estiveram nesta edição.

A abertura do evento homenageou as mulheres com as presenças de Petra Costa, diretora de Elena e Olmo e a Gaivota; Rosane Svartman, roteirista das novelas Totalmente Demais e Malhação, da Globo; e Vivian de Oliveira, autora dos folhetins bíblicos Os Dez Mandamentos, José do Egito e Rei Davi, grandes sucessos da Record. Um dos pontos levantados pelas debatedoras é que os personagens femininos do cinema e da TV nacional cumprem a função de reproduzir velhos estereótipos femininos.

Álvaro Paes de Barros, diretor do YouTube no Brasil, não apontou um futuro muito promissor para a televisão do formato atual. Segundo ele, até o final desta década a audiência nesse veículo vai ser superada pelo vídeo online. O executivo apresentou números para sustentar sua tese. São um bilhão de usuários do YouTube no mundo. O Brasil ocupa o segundo lugar, perdendo apenas para os Estados Unidos. Atualmente, 400 horas de vídeo são consumidas na plataforma por minuto, número mais de dez vezes maior que as 35 horas por minuto de 2010.

Barros lembrou também das celebridades da plataforma. De dez favoritos dos jovens no Brasil, cinco são youtubers. E apresentou um dado que se pode constatar facilmente em qualquer lugar: a maior audiência do YouTube está nos celulares e outras mídias móveis. E como não podia deixar de ser, youtubers famosos marcaram presença para contar suas histórias de sucesso, como os criadores dos canais Pipocando, Galo Frito e Desimpedidos.

Em um painel que a Globo Filmes promoveu no primeiro dia, as atrizes Cleo Pires e Mariana Ximenes foram promover a série “Supermax”, que estreia esse ano. Trata-se da primeira produção original da emissora voltada exclusivamente para os mercados latino-americano e hispânico.

No último dia do evento, a Globo também realizou um debate sobre  o mercado cinematográfico no Brasil e as mudanças que vêm ocorrendo no público em relação às produções nacionais, com participação dos cineastas Fernando Meirelles, via Skype; Cacá Diegues; e Guel Arraes, diretor de O Auto da Compadecida e Lisbela e o Prisioneiro, grandes sucessos da emissora na TV e na telona.

Arraes assinalou que as séries vivem momento de ascensão no Brasil, mas defendeu a novela nacional, que segundo ele é a grande credencial do audiovisual brasileiro pelo mundo. Ele e Fernando Meirelles integram um comitê artístico da Globo, que já anunciou sua disposição de investir em uma carteira de projetos para cinema bem mais diversificada do que as comédias fáceis como Se eu Fosse Você.

Opinião unânime dos palestrantes é que a TV ocupa cada vez mais o espaço de entretenimento que era do cinema. Foi o que defendeu Steve Golin, produtor do longa-metragem Spotlight, vencedor do Oscar de Melhor Filme este ano e também de O Regresso, que deu a Leonardo DiCaprio a estatueta de melhor ator. Mesmo com o sucesso no cinema, Golin acredita num movimento reverso dos profissionais que antes desprezavam a televisão e agora buscam este veículo, influenciados em grande parte pelo sucesso das séries. Um exemplo é a premiada True Detective, de que Golin também é produtor.

O executivo observou que a originalidade dos produtos audiovisuais é o diferencial para se manter nesse mercado, que está sendo ampliado pelas novas plataformas que estão surgindo. “Temos muitas atrações, mas muitas não são boas. É preciso achar o que é diferente”, salientou. É esse, segundo ele, o critério para que um brasileiro consiga emplacar uma produção no mercado norte-americano.

Nas Rodadas de Negócios, produtoras apresentam projetos de diversos gêneros e formatos, tais como séries e programas de TV, longas, reality shows e outros produtos a potenciais compradores de conteúdo audiovisual. 

O evento foi distribuído em sete salas e amplos espaços de networking. Os encontros de negócios também aconteceram nas áreas de exposições em estandes, lounges de convivência, terraços ao ar livre e salas privativas para patrocinadores e expositores.

As atrizes Cleo Pires e Mariana Ximenes foram promover a série “Supermax”

Inovação

Realizado pela Associação Brasileira de Produtoras Independentes de TV (ABPITV), o RioContentMarket consolidou-se como um dos maiores encontros de negócios e exposição de conteúdos audiovisuais do mundo. Por suas salas já passaram mais de 14 mil participantes, entre executivos, produtores e profissionais da indústria audiovisual de 38 países, realizando reuniões de negócios e apresentando projetos inovadores, cases e modelos de negócios relevantes para o desenvolvimento de parcerias e coproduções.

Por lá já passaram nomes como Dan B. Weiss (Game of Thrones), Cary Fukunaga (True Detective), Mark Gatiss (Sherlock e Doctor Who), David Chase (Família Soprano), Jack Bender (Lost) e David Shore (House). Do cenário nacional, participaram dos encontros e debates profissionais como José Padilha (Narcos e Tropa de Elite), Cláudio Torres (Magnífica 70 e Mulher Invisível), Cao Hamburger (Filhos do Carnaval e Pedro e Bianca), Marcelo Tas e o diretor de fotografia Walter Carvalho.

 Steve Golin defendeu a opinião unânime entre os palestrantes, de que a TV ocupa cada vez mais o espaço de entretenimento que era do cinema